CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > ENTRETENIMENTO > HUMOR > Canabista X Maconheiro

Canabista X Maconheiro


Assim como existem diferenças abissais entre motoqueiro/motociclista, cozinheiro/culinaristametaleiro/headbanger, também há uma distância intransponível entre maconheiros e canabistas. Afinal, apreciar um bom cigarro vai muito além da ladainha do “acende, puxa, prende e passa” entoada por Gabriel, o Pensador.

Maconheiro, em suma, é aquele cara que curte muito fumar um, mas não faz questão de ter o bagulho. Tampouco se importa com a procedência e não sabe diferenciar um legítimo skunk holandês de um pêlo mal-cheiroso do Paraguai. O que vier, tá valendo – até porque, geralmente, ele vai na cola – ou na bola – dos amigos. Improvisador por natureza, para ele  a qualidade da seda também não faz diferença, valendo de Colomy a papel de pão. Desconhece espécies de cannabis, bem como não sabe fazer uso de um bom haxixe, insistindo em misturá-lo a qualquer prensado paraguaio de péssimo aroma em vez de render-se ao tabaco. Nas rodas, costuma ser o chato que irrita a galera pela demora em passar o baseado (que pode voltar babado) ou por deixar a ponta apagar, entre outras gafes elementares desculpáveis apenas em iniciantes. Pode ou não evoluir para o estágio Canabista, embora muitos permaneçam para sempre no limbo.

Já o Canabista, por sua vez, é o sujeito que faz questão de ter seu próprio bagulho – e investe tempo, dinheiro e conhecimento nisso. Sabe reconhecer o valor de uma colheita nobre e faz questão de apreciá-la em sedas da melhor qualidade, com destaque para as orgânicas, sem alvejantes ou pólvora. Muitas vezes, possui bongs, pipes, chilluns e/ou vaporizadores. Pode ou não engajar-se como ativista da causa ou transformar-se em grower – já que faz questão de ter o melhor bagulho e, nesse caso, a solução pode ser o “faça você mesmo”. Apreciador da cultura canábica, tende a ser fã de ícones da contracultura que vão de Hunter Thompson a Cheech and Chong, passando por Bob Marley e Capitão Presença. Conhecedor dos ritos, dificilmente deixa o cigarro apagar e não bate a cinza em caso de haxixe.

E você, é maconheiro ou canabista?

You may also like
A maconha no contexto dos cuidados paliativos
Vídeo aborda redução de danos para usuários de haxixe
Maconheiros têm maior chance de serem obesos?
Pesquisadores estudam o aroma da cannabis

101 Responses

  1. maconheiro

    so maconheiro mais nao por escolha tenho 16 anos , até conheço varios tipos de erva mais pela internet
    é dificil arrumar um baseado natural na cidade e como vou plantar se moro com meus pais , intao sempre vo nas biqueras busca é melhor do que ficar sem fumar infelismente nunca vi de perto um camarao so o prensado paraguai mais gosto mais do que lasanha intao fumo o que tem gosto de boas sedas como smoking brow , ocb e raw mais se nao tiver tambem que se foda vai no papel de pao ou até na pure lanche .

    1. Daê, Lúcio! Tu sabe que com 16 anos não tem nem como ser maconheiro ainda, né, no máximo categoria “gromet” ou mini-mirim, rsrsrs. Pega leve e muita calma nessa hora que um dia tu chega lá, por enquanto vai se informando que o início do caminho é esse! Bjão!

  2. Matheus

    Bem legal o post! Tenho 16 anos e nunca tinha experimentado a canabis até setembro do ano passado. Fiz intercambio para o Canadá, e nesse tempo que passei lá eu era total maconheiro, como todo iniciante. Lá aproveitei os melhores fumos, e como iniciante (como ainda sou), infelizmente não dei valor a erva de alta qualidade que fumei por lá. Bem, to de volta ao Brasil, e logo após experimentar o famoso prensa, vi aqui são grandes as diferenças. Fico feliz por ver que avancei bastante em relação a meu conhecimento sobre essa planta, com apenas 6 meses de experiência, posso dizer que sou apenas maconheiro, mas pretendo aprofundar meus conhecimentos sobre essa planta, e talvez futuramente tenha meu próprio cultivo em casa!

    1. Matheus, muito bacana sua experiência, mas o uso de maconha – assim como álcool e outras drogas – só é recomendado para maiores. Pega leve por enquanto, vai juntando informação, que tu tem muito caminho pela frente, guri! 😉 Espera mais dois anos e volta! Passa rápido, vai por mim – e depois dos 20 passa mais rápido ainda, se prepara e não tenha pressa! 😉 Bjos!!!

      1. Matheus

        Obrigado por responder tão rápido haha. Sim, farei isso! Vou juntar o máximo de informação possivel!

  3. Raj Purí

    Não me ofendi, coloquei a questão porque é pertinente a uma situação que está acontecendo na prática e é muito nociva, essa critica já estava pronta na minha cabeça.
    Temos que levar em consideração que é um grupo privilegiado o que pode ter acesso as informações e até aos bens necessários para ser um “canabista”. Apesar de fazer parte do grupo privilegiado fico triste por existir tal grupo. O texto não tem muitas caracteristicas de um texto de humor, o que colabora para o mal entendido. Mas sendo um pouco mais chato, sabemos que o humor em varios casos ajuda a disseminar ideias elitistas, preconceituosos e por ai vai…O humor é um genero que surgiu como forma de fazer politica, e por mais graça que faça é uma ferramenta poderosa para a formação de opinião, porque é aquela opinião que chega de forma amigavel, ai desarma um filtrinho no nosso senso crítico que faz ela cair e ficar ali no inconsciente pairando hehehehehe
    Sem criticas ao Blog, a analise que fiz sobre o papel dele nesse texto se resume a isso, não vi o resto do conteudo e dou muito valor a iniciativas como essa! 🙂

  4. Raj Purí

    Tem uma coisa interesante na sociedade de consumo que é transformar todo elemento contracultural em produto, se apropriar e reformatar a cultura segundo seus moldes, e com esse texto esse blog exerce esse papel dentro da cultura canabica, apropriar e distorcer uma cultura que tem origem nos povos africanos que desembarcaram aqui escravizados e tinham na união suas bases para a resistencia cultural, e que depois foi incrementada pela contra cultura onde os valores capitalistas eram rejeitados, em produto para a elite se dar bem, e para isso acontecer e necessario segregar e estimular a copetição e o consumo.

    Mas a realidade é que esse texto só deixa as claras uma coisa que vem crescendo muito no meio. Fumar maconha, cultivar e ser ativista virou moda e deixaram de ser coisas de gente determinada e corajosa para ser uma atividade que gera status, ai vc vê ativista se achando em posição superior a manifestantes, cultivadores que se fecham em panelinhas ao invés de abraçar e chamar para perto aqueles que ainda não cultivam, ativistas que são mais preocupados em construir uma imagem publica do que com o ativismo, todos no auge da arrogancia…Tenho reparado que isso vem ficando cada vez mais explicito a cada encontro que participo…
    Parece que o povo esqueceu ou nunca se ligou que o traço mais forte da cultura canabica é a união, são as rodas, o compartilhar, e assim se formata uma nova cultura baseada em diferenciar os baseados, as especies de maconheiro, enfim, maconheirismo fordista, elitista, competitivo…Bem formatado nos moldes que a sociedade de consumo gosta. Esse blog que necessita de patrocinio vai logicamente ver isso como algo natural.

    1. Tem uma coisa chamada “humor”, que esse blog pretende fazer desde sempre e ninguém vai censurar. Sua visão é ótima, mas acho que se ofendeu demais por um texto de humor que não tem compromisso nenhum em “rotular” nem se apropriar de nada. Te convido a navegar pelas outras seções e conhecer a variedade de pautas, assuntos, matérias, além de outros textos de humor, que até se “apropriam” momentaneamente de alguns clichês e rótulos, mas apenas pra divertir. E maconha tb é diversão, desculpaê. Aliás, foi por diversão que esse blog surgiu e continua no ar, portanto, relax, aperta um e viaja comigo – ou não. Bjos, bem vindo. 😉

  5. bruno

    sou maconheiro nato .. meu sonho é tbm encontra uma maconheira nata.. que curte a erva sabe saboriar ela ,meninas que curte maconha como eu me add ai no skipe .. bruno.souza611

Leave a Reply