CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > CULTURA > ARTE > Projeto artístico de Minas Gerais valoriza a poesia canábica

Projeto artístico de Minas Gerais valoriza a poesia canábica


Olha que ideia irada: para enfatizar o papel da poesia contida no rap, um MC da cidade de Timóteo (MG) resolveu criar uma série de vídeos onde a ideia é declamar “rap sem música”. Conduzido pelo MC Pets Killaone,  o projeto “A Rua Declama” pretende não só valorizar toda a lírica das ruas, mas apresentar questões diversas do cotidiano de quem vive na Babilônia.

Sendo assim, quem não poderia ficar de fora é a maconha, musa inspiradora de rappers, poetas e músicos de todo o planeta. Veiculado no fim do ano passado, o vídeo acima mostra o poeta Hugo Lage, mais conhecido como Deighmann, recitando uma de suas poesias, a “Toco-Chaminé”, que traça paralelos entre assuntos relativos à proibição e usos da canábis com questões sobre poluição e caos urbano.

Além de poeta, canabista e entusiasta da culinária vegana, Deighmann também é vocalista e contra-baixista de uma banda de death metal chamada Atomic Fear. Embora não pertença diretamente à cena rap, o músico foi convidado a integrar o projeto “A Rua Declama” graças à lucidez & coerência dos versos canábicos que você ouve – e lê – abaixo, e acima. 😛

Toco-Chaminé

Lá no alto observei
A cidade toda pita
Qual fumo não sei
Sei que ninguém exita
Cada um toma um rumo
Mas cada um tem fumo
Que relaxa e excita
Uns fumam gasolina
Uns outros nicotina
Maior toco é da Usina
Esse ninguém evita

Chega à toda palma
De quem por aqui mora
A fumaça vem com calma
Cê tá pitando um agora
E nem havia percebido
Que o ar todo poluído
Vem de lá daquela tora
Que a Usina bola todo dia
Leva de moradia a moradia
Fazendo a sua apologia
por este vale afora

Fábrica do meu pito
É toda sustentável
Fabrica um produto
que é biodegradável
faz roupa e alimenta
de tudo se inventa
Tem até um combustível
que funciona nos motores
Mas existiram uns senhores
que pagaram uns Promotores
por uma Lei incompreensível

A Usina fuma labor
É assim que ela ganha
Nenhum fumo é pior
Mas este ninguém estranha
Diferente do bagulho
Que o povo tem orgulho
Quando o gambé apanha
Adianta nenhuma regra
Qualquer uma ela quebra
Enquanto uns fumam pedra
a Usina fuma uma montanha