CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > MEDICINAL > Estudo da USP mostra eficácia do canabidiol no tratamento da ansiedade

Estudo da USP mostra eficácia do canabidiol no tratamento da ansiedade


Apesar de toda a proibição, os cientistas brasileiros não desistem de pesquisar as propriedades medicinais da maconha (ainda bem!!!). Segundo pesquisa realizada pela Universidade de São Paulo (USP), a utilização controlada do canabidiol (CBD) mostrou-se eficaz no tratamento da fobia social — um tipo de transtorno psiquiátrico altamente incapacitante, que atinge aproximadamente 13% dos brasileiros.

Segundo o levantamento realizado no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, em parceria com a Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP), o canabinoide possui efeito ansiolítico, sem causar dependência, reduzindo, sobretudo, o medo de falar em público em pessoas que possuem fobia social.

As informações surgiram a partir da tese de doutorado do pesquisador Mateus Bergamaschi, sob orientação dos professores Regina Queiroz, da FCFRP, e José Alexandre Crippa, da Faculdade de Medicina. Não é a primeira vez que pesquisadores da USP se dedicam à erva: recentemente, foram divulgados estudos que apontam os benefícios da maconha no tratamento de distúrbios como TOC e síndrome do pânico.

Testes de simulação para falar em público foram realizados com 24 pessoas, alunos de graduação e pós-graduação selecionados para participar da pesquisa. Eles apresentavam fobia social, mas nunca haviam sido tratados. Foram formados dois grupos — um recebeu uma dose (600 mg) de canabidiol e, outro, um placebo — droga sem efeitos práticos. Após duas horas, os participantes de ambos os grupos tiveram que preparar um discurso, de quatro minutos, para ser lido diante de uma câmera no momento em que viam sua própria imagem na televisão.

Observou-se que o desempenho das pessoas que receberam óleo de maconha foi superior, apresentando redução da ansiedade e mostrando-se mais confiantes. “Elas apresentaram menor nível de ansiedade comparado aos que receberam apenas o placebo”, relata Mateus Bergamaschi.

Os resultados inéditos são importantes na medida em que oferecem uma nova alternativa de tratamento a estas pessoas, melhorando a qualidade de vida e aumentando as chances de sucesso do tratamento. A utilização do composto mostrou-se segura e bem tolerada por humanos. No entanto, ele ainda precisa ser aprovado por organismos internacionais de regulação antes de ser aplicado em pacientes.

O medo
O Transtorno Ansioso Social, vulgarmente chamado de fobia social, é um transtorno caracterizado por manifestações de  medo, tensão nervosa, alarme e desconforto desencadeados durante exposição social. Manifesta-se quando o portador precisa interagir com outras pessoas, realizar tarefas sob observação ou participar de atividades sociais.

As pessoas afetadas por essa patologia reconhecem que seus medos são excessivos e irracionais, mas não conseguem evitar as sensações e buscam, de todas as formas, vivenciar situações sociais nas quais tenham que se expor.

Pessoas com ansiedade social são excessivamente preocupadas com o julgamento alheio, com a opinião dos outros a seu respeito, são perfeccionistas e determinadas.

Este isolamento e timidez tornam-se patológicos quando, por exemplo, a pessoa sofre algum prejuízo pessoal, como deixar de concluir um curso, uma faculdade ou uma entrevista por causa de um exame final por haver necessidade de exposição pública diante de um avaliador.

Tratamento
O tratamento atual consiste em atendimento psicoterápico e medicamentoso. É, no entanto, demorado — podendo levar 20 dias para apresentar efeito, caro e ainda pode levar à dependência. Assim, os resultados encontrados na pesquisa podem subsidiar a elaboração de uma nova alternativa de tratamento a estas pessoas.

*Fonte: Agência USP

**Foto:  Mel Melcon/Los Angeles Times

You may also like
Menina com paralisia cerebral ganha na Justiça direito de receber óleo de maconha no Ceará
Menina de 5 anos é autorizada a levar cannabis medicinal para escola na Califórnia
Pesquisadores avaliam toxicidade e teratogenicidade do CBD em larvas de Zebrafish
Pesquisadores brasileiros estudam o efeito antidepressivo do CBD

1 Response

  1. marcos

    Eu sofro com a enxaqueca, com as crises de enxaqueca des dos meus 8 anos mais , ou menos.
    Queria saber se posso participar dos teste com o canabidi pela usp? Tenho dores quase todos os dias,varis crises por mês, não aguento mais…

Leave a Reply