CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > ATIVISMO > ARTIGOS > Terrorismo midiático e injustiças marcam a prisão do cultivador THCprocê

Terrorismo midiático e injustiças marcam a prisão do cultivador THCprocê


Gregor Mendel fez experiências com o cruzamento de plantas na Europa e ficou conhecido como o pai da genética, recebendo amplo reconhecimento mundial e aplausos da imprensa.

Sérgio Delvair Costa, no entanto, fez experiências com o cruzamento de plantas no Brasil e foi preso, tendo ainda sua imagem deturpada pela dispensável imprensa marrom e chapa branca.

Terrorismo midiático

Nada percebemos de injusto quando a distância entre nós e o outro ser é muito grande. Toda a população fica espantada com esse terrorismo midiático. Querem criminalizar tudo e todos.

Tanto a imprensa marrom (sensacionalista) como a chapa branca (conservadora) noticiaram o fato na intenção de dar a entender que Sérgio é um delinquente. Mas quem conhece a história de ativismo do carismático THCProcê sabe que nessa história ele não é o bandido – e, sim, o herói.

THCprocê

Sérgio foi o criador da Cooperativa de Cultivadores do Brasil (CCB), uma espécie de clube semelhante aos existentes no Uruguai, Estados Unidos e Holanda (países com uma legislação criada com base na política de tolerância aos costumes do seu povo). Consciente, sempre tomou o devido cuidado para que nenhum menor de 18 anos pudesse ter acesso ao clube.

Sua ideia nunca foi ganhar dinheiro com isso. As sementes que fornecia aos usuários medicinais eram vendidas por um valor simbólico. “THC Procê” buscava, acima de tudo, que as pessoas se livrassem do convívio nocivo com o tráfico de drogas e pudessem ter acesso a uma cannabis de boa qualidade.

Como se já não bastasse prender um dos maiores ativistas do país, os policiais invadiram o seu canal no Youtube e fizeram uma série de ameaças de perseguição aos membros do grupo. Entre declarações confusas, os chamados agentes da lei dizem que “fumar maconha é crime”.

Sabemos que, em maio de 2012, Gerivaldo Neiva, Juiz de Direito, Membro da coordenação estadual da Associação Juízes para a Democracia (AJD), proferiu a seguinte sentença: “Comprar e portar maconha para uso próprio não configura crime. Inexistência de tipicidade e inconstitucionalidade do artigo 28, da Lei n° 11.343/06. Matéria em Repercussão Geral do STF. Só pode ser punido pelo tráfico quem o pratica. A Constituição Federal não pode ser ferida pela ‘guerra às drogas’”.

Quem são os verdadeiros criminosos?

Se o poeta Victor Hugo podia frequentar no século XIX na Europa o Clube do Haxixe, por que os cidadãos brasileiros não podem pertencer a um grupo semelhante em pleno século XXI?

Os fundamentos de um crime se encontram em bases filosóficas. Crime é uma criação de quem está no poder, da mesma maneira que a Igreja utiliza o pecado para separar os fiéis e os infiéis em bons ou maus. A colonização de toda a América seguiu esse padrão de segregação.

As pessoas que precisam desses remédios naturais estão cercadas por todos os lados. Quem importa sementes para fazer seu próprio medicamento ainda corre o risco de ser intimado pela Polícia Federal.

A liberdade de expressão é um direito que precisa ser reconquistado. Estamos num ciclo vicioso que só gera violência e opressão.

Mobilize-se

No DF, onde se concentra todo o poder político do país, certamente existem muitos criminosos verdadeiros para a Justiça investigar. Ao contrário de Sérgio, que só queria ajudar as pessoas desmistificando preconceitos e ensinando a cultivar a paz.

Se você também acha tudo isso um grande absurdo, assine esta petição que eu criei no Avaaz para demonstrar que o número de pessoas sensatas no Brasil ainda é grande.

Liberdade a todos os cultivadores de maconha!

*Por Rodrigo Filho∴, escritor e ativista