Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > NOTÍCIAS > CULTURA > HISTÓRIA > Conheça a história do Polígono da Maconha

Conheça a história do Polígono da Maconha


Em 1867, o escritor, cientista, explorador e capitão inglês sir Richard Francis Burton percorreu o Rio São Francisco de Minas Gerais até a sua foz, em Sergipe. E, nas suas margens, visando às valiosas fibras do cânhamo, identificou condições ideais para a plantação de Cannabis. Cerca de um século depois, curiosamente, nascia ali o Polígono da Maconha!

Os registros de plantações e do consumo social de maconha feitos pelo médico neurologista pernambucano Jarbas Pernambucano, nos anos 1930; e pelo sociólogo americano Donald Pierson, nos anos 1950; comprovam a antiga presença da maconha no Polígono formado por 13 cidades de Pernambuco e da Bahia, na região do Baixo e Submédio São Francisco.

O Polígono da Maconha inclui 13 cidades do sertão pernambucano e baiano. Ao norte, desponta outro polo produtor de cannabis no Maranhão e Pará.

O Polígono da Maconha inclui 13 cidades do sertão pernambucano e baiano. Ao norte, desponta outro polo produtor de cannabis no Maranhão e Pará.

No entanto, em 1946, a Comissão Nacional de Fiscalização de Entorpecentes (CNFE), criada em 1936 e regulamentada pelo Decreto-Lei nº 891/38, promoveu o Convênio Interestadual da Maconha, em Salvador. O relatório final aprovado, entre outras coisas, diz: destruição das plantações de maconha, limitada a sua produção para fins médicos ou industriais.

Apesar disso, nos anos 1970, a fim de atender uma crescente demanda, a região começou a fornecer maconha às principais capitais brasileiras. Razão pela qual, passou a ser chamada, pejorativamente, de Polígono da Maconha.

Nos anos 1990, consolidou-se como a principal fornecedora de maconha do Brasil, inclusive com as lendárias estirpes de sativas “Manga Rosa”, “Cabeça-de-nego” e “Cabrobó”.

Repressão

A partir daí, a repressão foi aumentando cada vez mais, culminando no final de 1999 na Operação Mandacaru, que utilizou 1.200 militares das Forças Armadas, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Bombeiros e Polícias Militares da Bahia e Pernambuco, ao custo de R$ 7.500.000,00.

poligono_da_maconha_mary

Ao final da Operação, o general Alberto Cardoso e outras autoridades governamentais se vangloriavam referindo-se à região como “antigo polígono” ou “ex-polígono da maconha”.

Todavia, em 2004, segundo o pesquisador Jorge Atílio Silva Iulianelli, o Ministério Público do Trabalho do Estado de Pernambuco estimava que a mão de obra utilizada no Polígono da Maconha era de 40 mil trabalhadores.

Diante disso, as operações da Polícia Federal foram intensificadas e muitos plantadores deslocaram-se para outros estados, principalmente para o Pará e o Maranhão. No Polígono, a fim de dificultar o acesso policial, passaram a cultivar nas áreas de Caatinga e nas ilhas do Rio São Francisco.

Segundo o sociólogo e professor Paulo Cesar Pontes Fraga, o Polígono da Maconha ainda atende cerca de 40% do mercado brasileiro.

Ilegal e com a Polícia Federal fazendo operações a cada três meses, a qualidade da maconha do Polígono fica muito longe do ideal. Mas sem sombra de dúvidas, é bem melhor do que a maconha prensada paraguaia, principal beneficiada pelo “sucesso” das caríssimas operações “enxuga gelo” da Polícia Federal!

*Por Ubirajara Ramos, auditor fiscal e autor do livro Tá todo o mundo enganado!

You may also like
Novo ministro do STF decide adiar processos sobre maconha e aborto para 2019
Cruzeta (RN): a pequena cidade brasileira que tinha maconha plantada nas ruas
STJ autoriza importação direta de CBD para tratamento médico
Menina com paralisia cerebral ganha na Justiça direito de receber óleo de maconha no Ceará

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.