Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > ATIVISMO > PBPD > Entidades sugerem propostas legislativas contra o encarceramento em massa

Entidades sugerem propostas legislativas contra o encarceramento em massa


Espalhe a boa !
Tendo a punição como principal pilar, a “justiça” brasileira é responsável por um dos maiores índices de encarceramento do mundo.

O Brasil possui hoje a quarta população carcerária do mundo, sendo o único do quarteto cuja taxa de encarceramento segue crescendo.

Com o objetivo de fazer frente a tal caótica situação, representantes do IBCCRIM e da Associação Juízes para a Democracia (AJD) apresentaram à Câmara dos Deputados no dia 5 de abril um caderno contendo 16 propostas legislativas contra as prisões em massa.

Produzido também em parceria com a Pastoral Carcerária e o Centro de Estudos em Desigualdade e Discriminação (CEDD/UnB), o documento inclui anteprojetos de lei que preveem, dentre outras, alterações que equilibram as penas relacionadas aos crimes mais representados nos cárceres brasileiros – na sua grande maioria crimes patrimoniais cometidos sem violência, além de tratar sobre a importância da descriminalização das drogas.

O material está disponível na íntegra no site do IBCCRIM.

Confira a seguir o que as mudanças que juristas sugerem envolvendo a Lei de Drogas, descritas na proposta 4:

BLOCO III: Lei de Drogas

Proposta 4: Diferenciação de condutas relacionadas a uso e tráfico de drogas

a. Substituição das penas privativas de liberdade por medidas restritivas de direitos

Em alinhamento com a proposta nº 2, a sugestão é de que outras penas restritivas de direito (não a prisão) sejam a regra em condenações criminais também relacionadas a drogas, especialmente quando se trata de réus primários, de bons antecedentes e sem relação com organizações criminosas.

b. Descriminalização do porte de drogas para uso pessoal e demonstração da finalidade comercial para o crime de tráfico de drogas

A legislação atual já não prevê pena de prisão para o caso de porte de drogas para uso pessoal, embora ainda conceitue o ato como crime. A distinção entre usuário/a e traficante, porém, ainda não é clara e aplicada de forma seletiva, a partir de critérios subjetivos. A proposta apresenta alguns parâmetros para a diferenciação, destacando a necessidade de comprovação do tráfico como atividade comercial, ou seja, com finalidade de lucro, além de abolir o porte para uso pessoal como crime.

c. Definição clara para “associação para tráfico de drogas”

O objetivo da proposta é limitar a aplicação de reprimenda específica a partir do momento em que se deve comprovar que a pessoa acusada se associa para a prática reiterada de crimes relacionados a drogas, diferente dos casos de eventualidade da prática.

You may also like
Comissão do Senado aprova descriminalização da maconha para uso medicinal
Alexandre de Moraes libera para julgamento processo sobre descriminalização da maconha
Sonho Andante #13: O melhor da MPB para curtir às 4:20
Descriminalização do cultivo de maconha para uso terapêutico pode ser aprovada esta semana no Senado

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.