CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > NOTÍCIAS > CURIOSIDADES > Vaporizadores: como o sistema de aquecimento influencia no vapor & sabor

Vaporizadores: como o sistema de aquecimento influencia no vapor & sabor


Da última vez que falamos sobre vaporizadores, listamos os 5 vapes mais vendidos no Brasil. Agora chegou a hora de conhecer como funciona o sistema de aquecimento destes aparelhos e mostrar mais alguns modelos bem legais que temos por aí no mercado.

Quando pensamos em ter um vaporizador, uma das primeiras dúvidas que vêm à cabeça é: como será o vapor? O tipo aquecimento e o nível de temperatura respondem essa pergunta, pois irão influenciar diretamente na textura, volume, suavidade e sabor do seu vapor.

Uma das principais características que se deve levar em conta antes de escolher um vaporizador é a forma como ocorre o aquecimento das ervas dentro de sua câmara. São basicamente três maneiras: condução, convecção e híbrido.

Os nomes podem até assustar, mas representam algo simples: a forma como o calor do aquecedor é passado para a sua erva – e, por incrível que pareça, esse pequeno detalhe faz a diferença na hora de vaporizar. Ele irá definir se o vapor sairá mais denso ou suave, com gosto mais puro ou torrado.

Já a temperatura é um fator mais flexível, pois a cada vaporização você pode testar um nível de aquecimento diferente até achar a fórmula perfeita.

Para te ajudar a entender melhor, encontramos essa breve explicação montada pela NamasteVapes, a maior revendedora autorizada de vaporizadores no Brasil:

Conhecendo vapes por condução

Explicando em uma abordagem simples sobre a vaporização de ervas, o método de condução aquece suas essências dentro de um compartimento, também chamado de “forno”, onde os materiais estão em contato direto com o aquecedor.

Alguns dos vaporizadores portáteis mais conhecidos por condução são: PAX 3DaVinci Ascent e Flowermate Pro.

Os aparelhos baseados na condução, especialmente aqueles com aquecedores de aço, produzem um vapor espesso que tem um sabor “torrado” em comparação com o vapor produzido nos vaporizadores por convecção.

As unidades por condução usam o calor direto para produzir o vapor que é mais denso do que o vapor da convecção.

O rendimento do vaporizador por condução terá muito a ver com o aquecedor e como o calor se distribui para um uso mais eficiente sem causar combustão.

Vaporizadores por Convecção

Na forma de aquecimento por convecção, as ervas não estão em contato direto com o aquecedor, podem ficar suspensas em uma tela ou armazenadas em um compartimento isolado.

Dessa forma, as ervas recebem um fluxo de ar quente que extrai os ingredientes ativos do material para criar o vapor, sem que as essências entrem em contato direto com o aquecedor, evitando a queima do material.

O aquecimento por convecção resulta em um vapor mais puro, mas tende a ser mais suave e menos denso do que o produzido na vaporização por condução.

O vaporizador portátil Firefly 2 é o mais moderno e sofisticado modelo por convecção, que utiliza um aquecedor patenteado pela fabricante. O investimento neste vape é alto, mas vale cada centavo!

Geralmente, os vaporizadores por convecção extraem um sabor mais puro das ervas do que os por condução, que oferecem um sabor mais “torrado”, que muitas pessoas também adoram.

Muitos dos vaporizadores de mesa também funcionam com o aquecimento por convecção, como o mais famoso e potente da categoria, Volcano Digital. A maior diferença entre os vaporizadores de mesa é se são com ventilação forçada ou de mangueira, sendo que alguns tem as duas opções, mas vamos deixar pra discutir isso em outro post.

Nem lá nem cá: aquecimento híbrido

A terceira opção é o aquecimento híbrido, em que as ervas são aquecidas tanto através do fluxo de ar quente quanto pelo contato com a câmara.

Alguns dos vaporizadores mais recomendados do mercado possuem essa forma de aquecimento, como é o caso do Mighty, que libera muito vapor, o querido G Pen Elite e o Haze Dual V3, que é um modelo muito legal, o único que possui dois compartimentos e permite mudar a vaporização de ervas e concentrados em segundos, sem precisar ficar abrindo, limpando e trocando a câmara ou almofada – vale muito a pena conhecer esse vape (foto acima)!

Conclusão

Para concluir o assunto da condução versus convecção nos vaporizadores, se você está procurando um vapor espesso e denso, busque um vaporizador por condução. Caso esteja mais interessado na pureza do vapor ou do sabor, vá por uma unidade por convecção. Agora, caso já esteja familiarizado com os vaporizadores, não hesite em investir em algum modelo híbrido, que vai te entregar um pouco dos dois mundos.

Enfim, a variedade de vaporizadores é tão grande, que são inúmeras as características a serem consideradas no momento da escolha. Desde o tamanho externo e design, passando por duração da bateria, material da câmara de aquecimento, peças internas em vidro, compatibilidade com essências, potência, etc. Mas depois desse post, esperamos que o método de aquecimento não seja mais um problema para você.

You may also like
Vídeo apresenta dicas de redução de danos no uso de maconha
Testamos – e aprovamos – o novo vaporizador Grizzly Eclipse
Vídeo aborda redução de danos para usuários de haxixe
Shatterizer: a caneta perfeita para o dab

Leave a Reply