CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > MEDICINAL > Será que maconha causa mais câncer que cigarro?

Será que maconha causa mais câncer que cigarro?


Nesta semana, um portal de notícias resolveu tirar uma reportagem polêmica do fundo do baú. O título, uma espécie de alerta, afirma: “Maconha causa mais câncer que cigarro, diz estudo”.

A frase prendeu minha atenção. A começar pelo tema da maconha e, depois, pela palavra “causa”. Em estudos científicos é difícil estabelecer uma relação de causalidade, isto é, determinar a real causa de um efeito. São muitos os fatores que podem estar envolvidos: Genética, estilo de vida, uso concomitante de cigarro…

“Como eles conseguiram descobrir que foi a maconha que causou o câncer?”, pensei.

Fui então atrás do estudo original. O artigo científico em questão foi publicado em 2008 na revista European Respiratory Journal.

Erros de interpretação

Já no título encontrei algo interessante: “Uso de Cannabis e risco de câncer de pulmão: um estudo caso-controle”. O título não menciona “causa”, mas sim “risco”.

O termo “risco” indica uma probabilidade – ou a força de associação entre dois fatores. Dois fatores podem até estar associados, mas não necessariamente um é a causa do outro.

Vamos a um exemplo prático, pense na frase: “Quando o consumo de sopas aumenta, aumentam também os casos de resfriado”. São as sopas que estão causando os resfriados ou existe mais algum fator que não foi considerado? O período do inverno!

O frio faz com que as pessoas se aglomerem em lugares fechados e sem ventilação, o que facilita a transmissão do vírus causador do resfriado.

Sendo assim…

O mesmo se aplica ao estudo mencionado. Não é possível afirmar que a maconha foi a causa do câncer, a não ser que todos os outros fatores tenham sido controlados. O que é impossível.

Prossegui na leitura do artigo. Na sessão de resultados, havia uma tabela com os seguintes valores: “Risco dos fumantes de cigarro desenvolverem câncer de pulmão = 6,7. Risco dos fumantes de maconha desenvolverem câncer de pulmão = 1,2”. O valor de 5,7 mencionado na reportagem se referia a um grupo restrito de participantes que relatou alto consumo de cigarros de maconha ao longo dos anos.

Induzida pelo título da reportagem, já esperava encontrar um número bem menor para o grupo de tabagistas. Pois é, segundo o estudo, o risco de câncer de pulmão no grupo com alto consumo de cigarros é de 23,9!

Moral da história: muito cuidado com reportagens ao estilo “estudo científico comprova”.

*Por Lia Esumi, bióloga e Ms/PhD em Psicobiologia

****MARYJUANA COFFEE: EXPERIMENTE AGORA A PRIMEIRA LINHA DE CAFÉS ESPECIAIS DO PLANETA DESTINADA À HARMONIZAÇÃO COM CANNABIS****