Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > NOTÍCIAS > NEGÓCIOS > Fundo de US$ 250 milhões mira indústria canábica nos EUA

Fundo de US$ 250 milhões mira indústria canábica nos EUA


Um fundo de private equity copresidido por um ex-executivo da BlackRock planeja reunir US$ 250 milhões para investir em empresas de maconha em lugares como Los Angeles, Las Vegas e o centro de Manhattan.

O MedMen Opportunity Fund II, que busca empresas que cultivam, fabricam e vendem maconha, abrirá operações nos destinos turísticos mais populares do país. É uma iniciativa oportuna porque recentemente Nova York acrescentou a dor crônica às condições que habilitam comprar maconha medicinal. O mercado da erva com fins recreativos na Califórnia abrirá em 2018 e Nevada legalizou o uso de maconha por adultos em julho. O Canadá planeja a legalização nacional até julho.

Atingir a meta de US$ 250 milhões do MedMen seria um dos maiores investimentos já feitos no incipiente setor da maconha, ainda rejeitado por instituições financeiras que receiam lidar com um produto que é ilegal segundo a lei federal dos EUA. O setor não tem acesso aos serviços bancários mais tradicionais e enfrenta uma incerteza política no governo de Donald Trump, cujo procurador-geral, Jeff Sessions, é inimigo ferrenho da maconha aprovada por leis estaduais.

Mas os mesmos problemas que podem desencorajar alguns – a ambiguidade jurídica e a falta de um entendimento amplo sobre como o setor funciona – fazem com que a cannabis legalizada seja um investimento inteligente, segundo as pessoas atrás do MedMen, com sede em Los Angeles, que no ano passado captaram US$ 60 milhões para o primeiro fundo dedicado à maconha do grupo. Os ativos são mais baratos por causa do risco, e menos investidores estão dispostos a entrar no espaço.

“Eles estavam analisando mercados com muita transformação e sem muita transparência”, disse Ruth Epstein, uma ex-banqueira de investimento do Goldman Sachs Group em São Francisco que investiu no novo fundo da MedMen.

Wall Street está levando o MedMen a sério por causa de seu copresidente, Chris Leavy, que foi diretor de investimentos de ações fundamentais da BlackRock, a maior administradora de recursos do mundo. Antes disso, ele havia sido diretor de investimentos de ações da OppenheimerFunds. A presença de Leavy, 46, que ficou com a maior participação na primeira rodada do MedMen, é muito importante para investidores que, se não fosse por ele, provavelmente hesitariam diante de um fundo dedicado à maconha, disse Epstein.

Panorama

O mercado da cannabis legalizada, de US$ 6 bilhões, deve chegar a US$ 50 bilhões até 2026, segundo a Cowen & Co. O uso recreativo foi legalizado em oito estados dos EUA, entre eles a Califórnia e o Distrito de Columbia. O uso medicinal é permitido em mais 21, inclusive em Nova York.

As empresas relacionadas à cannabis, em particular as lojas, devem estar situadas a determinada distância de centros comunitários, como escolas e instituições religiosas. Por isso, encontrar pontos comerciais em áreas de alto tráfego é difícil, mas, potencialmente, mais lucrativo.

O MedMen comprou ou alugou imóveis em lugares bastante transitados, como o centro de Manhattan, na região de Beverly Hills em Los Angeles e bem perto da Strip de Las Vegas.

“Se podemos estar em Los Angeles, Manhattan e Las Vegas, então da perspectiva de marca, estamos completamente adequados”, disse o CEO Adam Bierman, 36, cofundador da empresa. “O que não tínhamos percebido é que mais ninguém iria conseguir fazer isso – ou pelo menos não por enquanto.”

*Fonte: Bloomberg

**Foto: cortesia MedMen

You may also like
China sedia mega evento voltado ao mercado de vaporizadores
Animais exóticos são tratados com CBD em parque no Arizona
Empresa canadense abre vagas para degustadores de maconha
Bongzilla: maior bong do mundo é lançado em Las Vegas

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.