CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > NOTÍCIAS > BRASIL > Plano de saúde é obrigado a fornecer óleo de maconha a garoto de 15 anos

Plano de saúde é obrigado a fornecer óleo de maconha a garoto de 15 anos


O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro condenou o plano de saúde Amil a fornecer um medicamento com canabidiol a um adolescente de 15 anos que sofre com grave epilepsia.

A decisão liminar dessa quarta-feira (20/6) é da juíza Rachel Assad da Cunha, que deu um prazo de 48 horas para que a operadora pague pela importação da medicação.

O garoto, cuja identidade foi preservada pela Justiça, sofre com a Síndrome de West, um tipo de epilepsia. O adolescente, que chega a sofrer 15 convulsões por dia, teve seu pedido negado pela Amil, embora sua família tenha garantido tanto a receita quanto a autorização formal da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para importar o remédio.

Em sua decisão, a juíza lembra que o Conselho Federal de Medicina já regulamentou os critérios de uso do canabidiol com fins terapêuticos no Brasil. Por essa razão, a Amil será multada em R$ 500 por dia caso não cumpra a decisão em 48 horas.

Em nota, a Amil informou que “tem como política o cumprimento integral de liminares” e que já está em contato com a família do garoto. “No entanto, no caso em questão, a necessidade de importação do medicamento impossibilita o atendimento à determinação judicial em 48 horas.” A operadora diz ainda que “tratamentos experimentais não possuem cobertura contratual e não estão previstos no Rol da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS)”.

Outra decisão

Em maio, os desembargadores da 24ª Câmara Cível determinaram que o plano de saúde Grupo Hospitalar Rio de Janeiro fornecesse a uma criança de seis anos um medicamento à base de canabidiol, sob pena de pagar multa de R$ 50 mil pelo descumprimento da decisão. A criança, que também sofre de epilepsia e atraso de linguagem, entrou com o processo para conseguir o medicamento, que foi prescrito por um neurologista.

Na decisão, o desembargador Luiz Ayoub lembrou que “o uso do canabidiol para fins medicinais vem sendo cada vez mais adotado, tendo em vista seus resultados benéficos quanto à diminuição do número de convulsões”.

Na primeira instância, o juiz determinou que o medicamento fosse entregue no prazo de 48 horas. O plano de saúde, no entanto, provou nos autos que esse tempo era pequeno justamente pela necessidade de importar o canabidiol. O prazo, então, foi alterado para dez dias, o que, segundo os desembargadores, é suficiente para a encomenda, importação e entrega do remédio.

*Fonte: UOL

You may also like
Projeto de lei de Paulo Teixeira propõe regulamentação da cannabis no Brasil
Empresa americana lança linha de maquiagem para os olhos com maconha
Plantio de maconha mobiliza empresas no Brasil
CBD apresenta efeitos promissores no tratamento das “crianças-borboleta”

Leave a Reply