Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > ATIVISMO > CULTIVO > Conheça 3 tipos de lâmpadas indicadas para o cultivo de maconha

Conheça 3 tipos de lâmpadas indicadas para o cultivo de maconha


A seguir, conheça alguns tipos de lâmpadas capazes de turbinar o seu cultivo de maconha em interior.

Plantar cannabis indoor requer uma série de apetrechos destinados a simular o ambiente natural das plantas, a começar por um bom sistema de iluminação. Antes de escolher por um determinado tipo de lâmpada, os cultivadores devem levar em conta fatores como intensidade e espectro adequados.

Cada cor específica envia um sinal diferente para a planta, estimulando um tipo de crescimento específico. De fato, as plantas utilizam apenas certas partes do espectro de luz, especificamente aquelas nas faixas entre azul e vermelho.

Confira abaixo mais informações sobre os três principais tipos de lâmpadas utilizadas no cultivo de maconha, incluindo os benefícios e desvantagens de cada uma delas.

LÂMPADAS HID (HPS e MH)

Também conhecidas como luzes de descarga de alta intensidade, as lâmpadas HID são as mais utilizadas no cultivo de maconha em todo o mundo. Na verdade, elas são as lâmpadas que registraram melhor desempenho ao longo da história quando o assunto é colher flores gordas e resinadas.

Quando falamos de luzes HID, é necessário diferenciar seus dois tipos principais: haleto metálico (MH) e os equipamentos de sódio (HPS). Esses dois tipos de lâmpadas diferem em que os MHs fornecem uma luz azulada “fria”, enquanto, os bulbos HPS apresentam um espectro avermelhado mais “quente”.

Portanto, a recomendação é utilizar as lâmpadas de haleto metálico durante a fase vegetativa e, as HPS, na fase de floração.

Caso você tenha apenas um tipo de luz disponível, é aconselhável optar pela HPS, pois este tipo de lâmpada pode servir tanto para o crescimento e floração.

Além disso, as lâmpadas HID são relativamente baratas e fáceis de montar. A principal desvantagem é que elas emitem bastante calor e precisam ser acompanhados por um bom sistema de ventilação para extrair o calor que elas geram.

Outra desvantagem é que elas precisam ser substituídas periodicamente, já que a potência vai diminuindo conforme as horas de uso. Elas também requerem uso de reator de energia elétrica para o correto funcionamento.

LUZES FLUORESCENTES (CFL)

Outra opção de lâmpada para o cultivo de cannabis são as luzes fluorescentes (ou CFL). De baixo custo e disponíveis em qualquer loja, estas lâmpadas podem ser utilizadas em qualquer luminária, sem a necessidade de reator.

Este tipo de iluminação é oferecido em várias potências e com espectros de luz diferentes, como o branco, ideal para a fase de crescimento, ou luz quente, recomendado para a fase de floração por seu espectro avermelhado. Para o cultivo em interior, no entanto, são indicadas as lâmpadas CFL que excedam os 40W. 

Muito comum nos primórdios do cultivo indoor de maconha, estas lâmpadas aos poucos perderam espaço devido a sua baixa produção de luz em comparação com as concorrentes. Apesar disso, elas ainda são uma opção muito boa para jardins muito pequenos, para clones ou manutenção de plantas-mãe.

LÂMPADAS LED

Alvo de muitas polêmicas em fóruns e grupos de cultivadores, as lâmpadas LED vêm melhorando significativamente sua qualidade e desempenho nos últimos anos.

Isso ocorre porque os novos modelos produzem uma quantidade maior de lúmens por watt, fornecendo uma luz poderosa o suficiente para o cultivo adequado da maconha.

Atualmente, há quem garanta a mesma ou até mesmo uma colheita maior usando painéis de LED em vez de lâmpadas HID. Na verdade, as luzes LED são as mais eficientes em termos energéticos, oferecendo menor consumo entre todos os seus concorrentes.

Outra característica positiva é que os LEDs não produzem muito calor, portanto, não há necessidade de usar um sistema de ventilação potente. Também não há necessidade de uso de reator, já que podem ser conectados a qualquer corrente elétrica.

Entre suas desvantagens está o alto preço dos painéis, que excede em muito o preço de seus dois principais concorrentes. Além disso, devemos ter muito cuidado ao comprar as placas de LED, pois não há padronização industrial adequada e existe muita peça de baixa qualidade no mercado. Ou seja, existem muitos modelos de LED e nem todos eles têm qualidade suficiente para garantir o correto funcionamento de um cultivo interno.

Qual lâmpada eu devo escolher?

Conforme apresentado acima, os diferentes tipos de lâmpadas apresentam características distintas que devem ser levadas em consideração para quem deseja obter uma colheita abundante e resinada. Tenha em mente que a lâmpada escolhida acarretará em estratégias específicas para o sucesso do cultivo.

É necessário definir o tamanho do cultivo, a instalação elétrica, bem como o quanto pretendemos gastar com a conta de luz. Só com estes fatores esclarecidos é possível decidir que tipo de lâmpada melhor atende às nossas necessidades.

Geralmente, a potência mais comumente usada é a de 600W, ou seu equivalente em HID ou LED, embora isso varie de acordo com o tamanho do interior e o número de plantas.

Escolha a lâmpada certa para as suas condições e boas colheitas!

You may also like
UFPB pretende cultivar maconha para fabricação de remédio por meio de convênio
Justiça do RN autoriza cultivo de maconha por mãe e filha para tratamento de depressão
Jardim da Mary #039: Super Silver Haze
Família do Paraná é autorizada a plantar maconha para tratar epilepsia

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.