Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > NOTÍCIAS > CIÊNCIA > O consumo de maconha como forma de biohacking

O consumo de maconha como forma de biohacking


Espalhe a boa !
  • 159
    Shares
No dia 10 de novembro, aconteceu em São Paulo o festival Hacker Roadsec, encerrado com show de Gabriel o Pensador e Marcelo D2, cantores brasileiros frequentemente relacionados à maconha. Mas, o que os hackers têm a ver com a ganja?

Cultura & Ética Hacker

Engana-se quem acha que os Hackers são só nerds que invadem computadores. Originalmente, o termo hacker se refere ao ato de encontrar formas novas e inteligentes de fazer as coisas e solucionar problemas.

Atualmente, este conceito básico não mudou, mas está mais restrito ao mundo da tecnologia e dos computadores. No mundo, existem diversos grupos de Hackers, tais como o famoso Anonymous, e que são regidos por um código de Ética Hacker, cujo ponto chave é o livre acesso a informações e melhoria da qualidade de vida.

Biohacking

Não demorou muito para os Hackers invadirem outras áreas da ciência. O Biohacking por exemplo, se refere à mistura entre biologia e cultura hacker, e tem várias vertentes: A Biologia DIY (Do-It-Yourself, ou “faça você mesmo”), na qual pessoas realizam experimentos fora das instituições tradicionais de pesquisa; os Grinders, pessoas que alteram o próprio corpo com implantes cibernéticos; a Auto-Quantificação, quando há a mensuração de biomarcadores e comportamentos visando encontrar meios de otimizar a saúde; e a galera da Nutrigenômica, que utiliza nutrição e/ou genética para otimizar a funcionamento do corpo.

E, neste contexto, por que não considerar o uso de algumas substâncias como forma de Biohacking?

Palco dos shows de encerramento do Roadsec.

O consumo de maconha como forma de biohacking

Nós já mostramos aqui no Maryjuana várias aplicações medicinais da maconha, tais como para o tratamento de dores crônicas, epilepsia, esclerose múltipla, e fibromialgia. Mas em nosso dia-a-dia nós fazemos alguns usos da maconha que não são exatamente medicinais: para relaxar após um dia de trabalho, para socializar na balada, para dar aquele boost de criatividade na hora do trampo, e, é claro, quando estamos apenas curtindo a vibe da planta.

Então, consumir maconha é Biohacking sim! O uso da maconha otimiza o relaxamento, socialização, criação, contemplação e, mesmo sem ser um uso medicinal, melhora a qualidade de vida 🙂

Que tal turbinar a sua mente?

O conteúdo deste site foi criado por mentes turbinadas com café (Mary4:20)! 

SAIBA MAIS

 

You may also like
App canábico obtém financiamento de US$ 1,5 milhão

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.