Posts Marcados Com: haxixe marroquino

Marrocos apresentará projeto de legalização da maconha em 2014

morocco_flag

Quem pretende legalizar a maconha muito em breve é o Marrocos, reconhecido como um dos maiores produtores mundiais de haxixe. Após anunciar o desejo de regulamentar a erva no último mês de julho, agora um dos principais partidos políticos do país iniciou o Continue lendo

Categorias: Notícias canábicas, Página Inicial | Tags: , , , , | Deixe um comentário

Marrocos prevê legalização da maconha em até três anos

Marrocos

Considerado um dos maiores produtores de haxixe do mundo, o Marrocos pretende liberar a produção e o uso canábis, segundo reportagem publicada pelo portal Bloomberg na semana passada. A ideia partiu da Moroccan Network for the Industrial and Medicinal Continue lendo

Categorias: Notícias canábicas, Página Inicial | Tags: , , , , , | Deixe um comentário

Agricultores afegãos são as principais vítimas do comércio (nada) justo de haxixe

Agricultores afegãos recebem, em média, US$ 200 por quilo de haxixe.

Considerado um dos pilares da sustentabilidade, o conceito de comércio justo (do inglês “fair trade”) consiste no estabelecimento de preços equilibrados nas cadeias produtivas. Quando se trata da canábis, especialmente nos países onde é proibida, o que vemos é um tipo de varejo que contraria toda e qualquer forma de justiça ou equilíbrio na distribuição dos lucros e nos valores cobrados pela erva e seus derivados, sobretudo o haxixe.

A situação fica evidente ao observar o exemplo do Afeganistão, um dos maiores produtores mundiais de haxixe, com produção estimada em 1.500 a 3.500 toneladas por ano, superando o Marrocos. Responsáveis pelo exaustivo trabalho de produção da resina – incluindo o cultivo, colheita e secagem da canábis – os agricultores afegãos recebem, em média, US$ 200 por quilo de hash, que chega ao consumidor final valendo até US$ 16 mil o quilo. A pergunta que resta é: quem fica com o lucro de 98%, senão os intermediários e organizações clandestinas que se encarregam de transportar a mercadoria para o restante do mundo?

Nas mãos do consumidor final, o mesmo haxixe chega a custar até US$ 16 mil o quilo.

Segundo os preceitos do comércio justo, que prevê divisão equitativa dos lucros, os agricultores deveriam receber pelo menos US$ 4 mil por quilo, vendido ao preço final de US$ 8 mil – considerando-se, claro, que a canábis estivesse legalizada e devidamente organizada. Mais uma prova de que a descriminalização é a única saída para a felicidade e justiça gerais das nações!

Calcula-se que quase 30 mil hectares de erva sejam cultivados anualmente no Afeganistão, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU). Vale lembrar que o Afeganistão também é o maior produtor mundial de ópio.

Deixando a hipocrisia de lado e lembrando que o haxixe vindo do Afeganistão & outros já está disponível em praticamente todas as regiões do mundo, porque não tornar sua produção e venda algo LEGAL e JUSTA para todos? #ficaadica da Titia para tempos de reflexão. A canábis cada vez mais se mostra a MELHOR colheita para todos em todos os sentidos – para o meio ambiente, a indústria, os agricultores e consumidores.

Categorias: Notícias canábicas, Página Inicial | Tags: , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Mary explica: o que é haxixe?

De origem árabe, o nome haxixe refere-se ao produto resinoso seco extraído do tricoma, das flores e frutos da cannabis sativa ou cannabis indica. Muito difundido no oriente e norte da Africa, o haxixe tem aroma característico e pode ser fumado ou ingerido.

Preparação
A preparação do haxixe requer a maceração das flores, folhas e demais partes das plantas cannabis sativa ou indica. Outra forma de preparo consiste em reunir os cachos de flores e sacudi-los contra um pano estendido em um recipiente. A resina acumulada durante o processo deve então ser prensada e adquire a forma de “bolinhas” ou tabletes endurecidos em tons que variam entre castanho, dourado, preto, vermelho ou verde-escuro. Diferente do que muitos pensam, a fabricação do haxixe é simples, totalmente artesanal e dispensa o uso de qualquer componente químico.

Modo de usar
O haxixe pode ou não ser misturado com tabaco e fumado na forma de cigarros, charutos, cachimbos, etc. Geralmente possui maior concentração de THC do que no formato natural, potencializando  seus efeitos sobre o organismo.

Efetos prováveis:
São praticamente os mesmos efeitos da maconha, mas potencializados:

* Vermelhidão nos olhos
* Aumento da pressão arterial sistólica e frequência dos batimentos cardíacos elevada
* Fotofobia
* Tosse
* Boca seca
* Diminuição de reflexos e capacidade de guiar máquinas
* Sonolência
* Euforia
* Alteração da memória imediata
* Sensibilidade aumentada para estímulos externos
* Pensamentos fragmentados
* Distração

Curiosidades:
* Na religião hindu o haxixe é considerado um presente dos deuses. Acredita-se que a planta teve origem quando Shiva, chegando a um banquete preparado por sua esposa Parvatii, baba ao ver tantas delícias e de sua saliva surge a planta abençoada;
* Também chamado de raka, chocolate, pretinho, creme;
* O haxixe marroquino é considerado um dos melhores do mundo.


Categorias: Mary explica..., Página Inicial | Tags: , , , , , , | Deixe um comentário

Blog no WordPress.com. O tema Adventure Journal.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 106 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: