Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > NOTÍCIAS > BRASIL > Anvisa adia decisão sobre importação de óleo de maconha

Anvisa adia decisão sobre importação de óleo de maconha


Espalhe a boa !

Burocracia, hipocrisia, burrice e crueldade são as melhores palavras pra definir a postura da Anvisa perante a maconha.  Frustrando todas as expectativas possíveis de incontáveis pacientes, médicos & ativistas, a entidade adiou a decisão sobre o processo de importação de medicamentos à base de canabidiol (CBD).

Segundo reportagem do G1, uma reunião da Diretoria Colegiada do órgão, marcada para quinta-feira (29/5), em Brasília, deveria decidir se o CBD seria retirado da lista de substâncias de uso proscrito, passando para a lista de substâncias de controle especial (comercializado com receita médica de duas vias). Porém o diretor Jaime Oliveira pediu vista do processo, o que significa que a discussão foi adiada para uma sessão posterior, que deve ocorrer a partir do final de julho, em data ainda não definida.

Caso a mudança fosse aprovada, qualquer brasileiro com uma prescrição médica em mãos que recomenda um medicamento com o princípio ativo poderia entrar no país de maneira legal com o produto, ou recebê-lo por encomenda.

Ignorando completamente centenas de estudos internacionais que atestam, comprovam e garantem a eficácia do CDB, a Anvisa insiste em mantê-lo numa lista que proíbe o uso para fins terapêuticos, exceto quando há alguma autorização especial para importação, concedida pelo próprio diretor da agência ou ainda sentença jurídica com a mesma finalidade, a exemplo do que ocorreu com a garotinha Anny Fischer.

Durante a sessão, o diretor-presidente da Anvisa, Dirceu Barbano, deu um show de hipocrisia e falta de conhecimento sobre o assunto. Segundo ele, a reclassificação do canabidiol não necessariamente facilitaria a importação dos medicamentos à base da substância. Isso porque muitos desses remédios contêm outros derivados da maconha que continuam banidos no Brasil.

Ele cita o exemplo do medicamento Epidiolex, indicado para algumas síndromes epilépticas da infância.”O Epidiolex declara ter 0,9% de THC (tetra-hidrocanabinol) e o THC integra a lista de proscritos”, diz Barbano. “No mercado, não tem nenhum remédio só à base de canabidiol. Mesmo que o canabidiol seja aprovado, as pessoas não poderão importar os medicamentos porque eles têm, em sua composição, os canabinóides, que são proscritos.”

Ainda de acordo com Barbano, a  Anvisa não tem informações suficientes sobre os efeitos colaterais que a substância possa provocar nos usuários. “(O canabidiol) tem sido usado no Brasil em crianças e nós não detemos informações na literatura de qual é a consequência orgânica de médio e longo prazo por crianças de diferentes idades. É dever da Anvisa evitar os efeitos colaterais e alertar sobre os riscos.” Será que ele ficou sabendo que o FDA aprovou testes do medicamento em crianças nos EUA no fim do ano passado?

“QUERIA VER SE FOSSE A FILHA DELES”

annyy

Katiele Fischer e Noberto Fisher, pais de Anny, de 6 anos, portadora da síndrome CDKL5 assistiram à sessão. A doença genética, que provoca deficiência neurológica grave e convulsões, tem como alternativa de tratamento um remédio à base do canabidiol. “Eu queria ver se fosse a filha deles que tivesse 80 convulsões por semana, se eles iriam pedir tempo para analisar”, disse Katiele, depois da decisão pelo adiamento.

Em abril deste ano, o juiz Bruno César Bandeira Apolinário da 3º Vara de Federal de Brasília, permitiu a importação do remédio à base da maconha pelos pais de Anny.

De acordo com o casal, o medicamento reduziu as crises de convulsões e trouxe mais qualidade à vida da menina. “O remédio diminui significativamente as convulsões da Anny. Quando ela deixa de fazer o uso do canabidiol, as crises voltam”, disse o pai. “O canabidiol devolveu a qualidade de vida da Anny. Ela agora come, se movimenta. Ela não fazia nada disso”, completa a mãe.

[Nota da Mary: É por essas e outras que não adianta esperar os buRRocratas tomarem uma decisão. A vida – e a saúde – não podem esperar. Canabidiol nada mais é do que MACONHA. E maconha é planta. Nasce, cresce e floresce em qualquer canto se tiver as condições ideais. O cultivo caseiro é a saída – e não a importação. Plantar seu próprio alimento é direito de todo ser humano. Portanto, não importe, plante.] 

*Fontes: G1, Agência Brasil

You may also like
Rede de fast food lançará hambúrguer com CBD em comemoração ao Dia da Maconha
Em Londres, academia de ginástica investe em aulas de alongamento turbinadas com CBD
Governo Bolsonaro é contra definir quantidade de droga para diferenciar usuário de traficante
Tratamento com CBD pode reduzir o consumo de cocaína

2 Responses

  1. Chega a ser revoltante a hipocrisia desses parlamentares/nojentos que impõem esses tipos “leis”, se é pode ser chamado assim. Porque algo que só faz o bem, assim como foi dito na sua Nota, nao deveria ser proibido, e sim apoiado.
    VIVA A COMUBIDADE CANNABICA! #4!20

  2. Chega a ser revoltante a hipocrisia desses parlamentares/nojentos que impõem esses tipos “leis”, se é pode ser chamado assim. Porque algo que só faz o bem, assim como foi dito na sua Nota, nao deveria ser proibido, e sim apoiado.
    VIVA A COMUBIDADE CANNABICA! #4!20

Leave a Reply