Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > SAÚDE > Dr. Bud responde: por que a maconha deixa a boca seca?

Dr. Bud responde: por que a maconha deixa a boca seca?


Espalhe a boa !
  • 31
    Shares

A cena é recorrente na vida dos canabistas: bastam algumas tragadas no baseado para, de repente, a boca secar a ponto de dificultar a fala ou impossibilitar um beijo. Um dos efeitos colaterais mais incômodos e imediatos da maconha, a sensação de boca seca é tão comum que poucos maconheiros se questionam sobre os mecanismos que desencadeiam a reação. 

Com o objetivo de desvendar as causas do sintoma – e ensiná-los a lidar com a situação – mais uma vez convocamos o cardiologista Dr. Bud* para explicar o desagradável fenômeno.

“Na medicina, utilizamos o termo xerostomia para designar a sensação de boca seca provocada por causas diversas. Além da maconha, fatores como tabagismo, desidratação, má higiene bucal, uso de álcool, alguns medicamentos e ronco podem desencadear o problema”, explica Dr. Bud.

No que diz respeito à maconha, há alguns – e antigos – estudos indicando que a erva causa ressecamento da boca.

Datada de 1986, uma pesquisa analisando os efeitos do canabidiol (CBD) foi uma das primeiras a associar o efeito colateral ao uso da cannabis sem, no entanto, citar maiores detalhes sobre o assunto.

Glândulas salivares possuem receptores de canabinoides 

Até o momento, os pesquisadores da Universidade de Buenos Aires, na Argentina, foram os que mergulharam mais fundo na investigação sobre as relações entre cannabis e xerostomia.

Segundo estudo publicado pela instituição em 2006, os seres humanos possuem receptores de canabinoides nas glândulas submandibulares – que, de acordo com Dr. Bud, “são as responsáveis pela produção de mais de 60% da saliva”.

Durante a pesquisa, os investigadores perceberam que o “agonista endocanabinoide anandamida (AEA)” liga-se com muito afinidade aos receptores de canabinoides presentes nas glândulas, bloqueando a ação dos compostos da norepinefrina e metacolina – que induzem a produção de saliva. Com isso, reduziu-se a salivação.

“Vale lembrar que o THC também atua como um agonista dos receptores de canabinoides e, portanto, também pode afetar os receptores das glândulas submandibulares de maneira muito parecida”, completa Dr. Bud.

Muito além da boca seca

O estudo argentino também concluiu que o papel do sistema endocanabinoide vai além de apenas reduzir temporariamente o funcionamento em glândulas salivares.

“Da mesma forma que inibe as secreções salivares, o sistema endocanabinoide também parece desempenhar um papel importante na produção de saliva”, interpreta Dr. Bud.

Como lidar

Se não é possível evitar a sensação de boca seca após fumar um, pelo menos dá para contornar a situação com algumas medidas muito simples:

-Beba água – MUITA água, especialmente durante as sessões canábicas mais “pesadas” ou após os dabs. Chás e sucos de frutas também são uma boa pedida;

-Opte por beber refrigerantes apenas em último caso (ou na hora da larica), pois o excesso de açúcar pode causar mais sede e acabar piorando a sensação de boca seca em alguns casos;

-Tenha sempre à mão chicletes e balas, de preferência sem açúcar – pelo menos motivo citado acima. Uma ótima opção para os naturebas – como eu – são pastilhas de gengibre, que estimulam a salivação;

-Invista em sprays bucais à base de mel e própolis, que ajudam a lubrificar a garganta e, de quebra, reduzem o paloso “bafo de marofa”;

-Assim como balas e chicletes, algumas castanhas e frutas secas exigem uma mastigação mais consistente e estimulam a produção de saliva.

*nome fictício; pseudônimo de um experiente cardiologista & canabista formado por uma das mais importantes universidades brasileiras de Medicina. Com 20 anos de profissão e de fumaça, adora pesquisar as relações entre cannabis e saúde. Responsável por um movimentado consultório em algum canto qualquer do país, por motivos óbvios ele prefere ser identificado apenas como Dr. Bud, “até que a maconha seja finalmente legalizada”, como costuma dizer. Nas horas vagas, é o consultor Maryjuana para assuntos medicinais em geral. 

**Foto: Expert Beacon

You may also like
Vaporizar reduz o consumo de substâncias cancerígenas em 64% em apenas duas semanas
Trocar a fumaça pelo vapor é benéfico para portadores de DPOC
Entenda por que o vape é mais seguro do que o cigarro
Novo estudo tenta explicar por que a maconha causa efeitos diferentes nas pessoas

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.