CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > NOTÍCIAS > CIÊNCIA > Pesquisadora recebe US$ 3,9 mi para estudar terpenos da cannabis

Pesquisadora recebe US$ 3,9 mi para estudar terpenos da cannabis


Terpenos da cannabis são alvo de pesquisa, que angariou subsídio de US$ 3,9 milhões nos Estados Unidos.

Dotados de vasto potencial terapêutico, os terpenos da cannabis estão cada vez mais na mira dos cientistas.

É o caso de Ziva Cooper, diretora da Iniciativa de Pesquisa em Cannabis, que no último mês de março recebeu uma doação de US$ 3,9 milhões (ou cerca de R$ 20 milhões) para aplicar em uma pesquisa para determinar se os terpenos da cannabis podem auxiliar na redução da dor e do uso de medicações opioides.

O subsídio foi fornecido pelo Centro Nacional de Saúde Integrativa e Complementar dos Instituto Nacional de Saúde .

Ziva Cooper é professora de psiquiatria e ciências bio-comportamentais na UCLA, em Los Angeles, na Califórnia.

Terpenos da cannabis X dor crônica

Ela e sua equipe de cientistas vão se dedicar à investigação de dois terpenos em particular – o mirceno e o beta-cariofileno, ambos muito comuns na maconha.

O estudo determinará se as substâncias são eficazes no tratamento da dor por conta própria ou aprimorando as propriedades do THC.

“A dor crônica é um fardo significativo para a saúde pública e existem poucos tratamentos eficazes que causam muitos efeitos adversos que limitam o seu uso”, declarou a pesquisadora em um comunicado à imprensa.

Esta não é a primeira vez que Cooper consegue levantar fundos para suas pesquisas com cannabis.

Em 2019, outro estudo comandado por ela e sua equipe recebeu subsídio de US $ 3,5 milhões, desta vez para investigar como a erva e os canabinoides afetam homens e mulheres de maneira diferente – especialmente para o tratamento da dor.

Estima-se que existam mais de 200 terpenos encontrados na maconha, de acordo com um estudo de 2011, com vários mostrando o potencial para possíveis benefícios terapêuticos.

Além da cannabis, o mirceno é encontrado em mangas, lúpulos, folhas de louro e tomilho.

O beta-cariofileno, por sua vez, também é encontrado em pimenta do reino, cravo, lúpulo e alecrim.

*Foto: UCLA

**Junte-se à roda do Maryjuana no Telegram e tenha acesso a conteúdos exclusivos!

You may also like
Anvisa nega pedido da Unicamp para pesquisa com cultivo de maconha
Minicérebros auxiliam testes de diferentes tipos de cannabis
Pesquisa sugere pouca diversidade entre strains canábicas
Ícone da ciência canábica, Elisaldo Carlini morre aos 91 anos

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.