CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > ATIVISMO > 5 sinais de que você usou maconha demais

5 sinais de que você usou maconha demais


Embora não exista risco de overdose associado à maconha, o uso exagerado da erva pode ocasionar uma série de sintomas desagradáveis, especialmente entre usuários novatos ou menos frequentes.

Assim como acontece com quase todas as substâncias lícitas ou ilícitas, o nível de tolerância à cannabis também depende de fatores pessoais muito variáveis. E também depende da qualidade da erva (ou extrato) consumido.

A seguir, confira 5 sinais de que você fumou maconha demais:

1)Teto preto

Indicada para o tratamento de diabetes, a maconha possui um reconhecido efeito sobre as taxas de açúcar no sangue – algo que, na prática, pode ser fatal para os maconheiros em início de carreira. Ou mesmo para os cabeçudos dispostos a encarar os mais bem-servidos  & potentes dabs. A queda brusca das taxas de açúcar também pode derrubar a pressão arterial, causando o popular “teto preto”.

Fraqueza, escurecimento da visão e até desmaios (apagões) podem ocorrer. Os sintomas geralmente ocorrem logo após o uso imediato da erva – e tendem a passar rapidamente também, de preferência após a ingestão de água, bebidas adocicadas e laricas em geral.

2) Boca seca demais

Woman Drinking Glass of Water

Ok, a boca secar um pouco é normal enquanto se fuma um. Mas há momentos de extrema chapação em que nem todos os litros de água e suquinhos possíveis são capazes de aplacar a secura bucal digna do Saara.

Mantenha-se constantemente hidratado e dê um tempo na fumaça se perceber que a língua colou no céu da boca, por exemplo.

3) Tremedeira

Embora a cannabis também seja utilizada no tratamento de doenças que causam tremores – como o mal de Parkinson e a esclerose múltipla – alguns maconheiros sofrem exatamente esta reação quando fumam demais. Até o momento não existem estudos formais sobre o fenômeno, mas “parece haver alguma relação entre as tremedeiras e o efeito estimulante do THC no sistema nervoso central”, explica nosso consultor para assuntos de saúde, Dr.Bud.

O sintoma pode tanto ser leve e passageiro, como acentuado e durar por minutos suficientes para assustar os mais novatos. Calafrios e sensação de frio também podem ocorrer em alguns casos. Sem muito o que fazer para reverter o quadro se não esperar, vale a pena relaxar, beber água e concentrar-se em respirar profundamente.

4) Paranoia

paranoia

Que atire a primeira pedra de prensado o maconheiro que nunca teve uma bad trip após fumar muito, especialmente as variedades sativas recém-colhidas. Ao estimular o cérebro e provocar pensamentos diversos, a maconha pode, em determinado momento, aumentar a ansiedade e causar algum grau de paranoia em certos usuários, sobretudo os mais novatos ou  sensíveis.

“Nem todos os usuários passam por isso, mas há estudos sugerindo que indivíduos ansiosos e deprimidos estão mais propensos a experimentar a paranoia após o uso de maconha”, observa Dr. Bud. Ao que tudo indica, a sensação de paranoia é causada pelo THC, como afirma pesquisa lançada em 2014 pela Universidade de Oxford.

Evite episódio de paranoia diminuindo a dose de cannabis consumida e dê preferência às strains de predominância indica.

5) Sono extremo

1363318222_WeedNap

Geralmente na sequência da larica extrema, o sono extremo é o mais inofensivo dos efeitos colaterais do abuso de cannabis. De tão irresistível, o relaxamento induzido pela erva faz muito maconheiro dormir sentado ou até mesmo em pé!

A situação só fica perigosa quando envolve a direção de veículos ou manejo de equipamentos que exijam atenção total. Portanto, se dirigir não fume – deixe pra degustar o baseado no destino!

****MARYJUANA COFFEE: EXPERIMENTE AGORA A PRIMEIRA LINHA DE CAFÉS ESPECIAIS DO PLANETA DESTINADA À HARMONIZAÇÃO COM CANNABIS****

  • Denys

    Claro que algumas vezes podemos ter episódios paranóicos e outras pessoas nunca terem passado por isso, é normal… Não podemos dizer que nossas sensações são as únicas corretas, cada organismo é único e tem seus sintomas. Saudações!

  • Humberto Elia Soares

    Vou tentar ler seus estudos, prometo, não tive chance ainda.

  • Humberto Elia Soares

    Não foi por arrogância que botei o estudo entre aspas, você disse que “em momento nenhum do artigo dizemos se tratar de um “estudo””, foi por gentileza, não quis desrespeitar esse ponto que me pareceu ser importante para você.
    Quando fazem experiências com animais por exemplo, tentam mante-los em condições em que fatores externos não possam influenciar no resultado das pesquisas e principalmente nas conclusões, da mesma maneira, não há como atribuir a paranoia ao uso da maconha sem isolar outros fatores que a meu ver, causaram os casos que você cita.
    Em momento nenhum disse que tinha feito estudo ou retirado informações de fontes que fossem, ao contrário, deixei sempre claro que se trata da minha impressão pessoal.
    A insignificância numérica que disse e insisto é evidente principalmente quando comparada à esmagadora maioria de casos em que a maconha age de maneira exatamente oposta.
    MACONHA NÃO DÁ PARANOIA.
    É irresponsável e falso divulgar esta ideia, maconheiro já sofre muito por imagens como essa que habitam o imaginário popular.

    • Ok, na SUA OPINIÃO “maconha não dá paranoia” kkkk. Ok, ok, senta lá Claudia, ops, Humberto…vc podia usar um pouquinho da tua disposição em escrever mensagens quilométricas cheias de achismos pra militar a favor da cannabis junto a sites que pregam CONTRA a erva. Sem mais.

    • Nicole

      Só fumo natural e já passei por tudo isso ai, inclusive a paranoia.

  • Humberto Elia Soares

    Obrigado pela atenção dispensada em ler e responder meu comentário e desculpe se não li estudo citado, prometo que vou tentar ler.
    Não se trata de desclassificar, rebaixar nem comparar com outros sites; Não tenho como avaliar, nem é minha proposta, o quão exaustivo e sério é seu trabalho, mas desacreditar sim, isso é minha proposta. Discordo sim, e mostrei isso exprimindo minhas impressões sobre o que tinha lido, falei que “me pareceu um estudo superficial e suas conclusões precipitadas e até erradas.”, se é um estudo ou uma lista de efeitos colaterais desagradáveis, não me pareceu tão relevante,
    Botei o título de “FALANDO DE CADEIRA” no meu comentário como quem cita a fonte de pesquisa por traz das minhas observações, não é um estudo é minha impressão pessoal, mas acho relevante que depois de ter fumado por tantos anos, tanta maconha diferente, em tantas diferentes situações e companhias nunca ter visto nenhum caso de paranoia que pudesse ser atribuído ao uso da maconha. Já vi no entanto, gente achando que foi a maconha que causou a paranoia. Imagino que seja o seu caso, dos seus amigos e das pessoas do “estudo” mencionado.
    É como aquele papo do cara que faz “algo errado”, principalmente quando o erro é de natureza violenta ou paranoica e vem alguém dizer que “só podia estar maconhado”, sem levar em conta a VISÌVEL estatística arrasadoramente desproporcional de pessoas que deixam de cometer violências por usar maconha ou que saem de processos paranoicos.
    Pra mim parece evidente que é um raciocínio indutivo, irresponsável, errado e inoportuno, relacionar a paranoia na lista de efeitos desagradáveis causados pela maconha dada a insignificância numérica de “supostos casos” principalmente quando comparada aos “contra casos”.
    Isso é irresponsável, tem um efeito daninho para a imagem da maconha. Associa o uso da maconha a algo que não só ela não causa, como ela combate, até quando usada em pequena quantidade.
    Como eu disse: maconha tanto dá quanto tira o sono, tanto dá quanto tira a “larica” que poderia ser sim, considerado como efeito desagradável para certas pessoas, que tem características diferentes e não querem comer de mais, mas a paranoia não.
    Gostaria que o fato de minha opinião vir de encontro tão diametralmente à sua a ponto de querer descreditar o que está sendo dito não fosse visto como uma ofensa, entendo que não somos donos da razão e devemos ter o poder de reavaliar nossas conclusões o tempo todo.

    • Pois é, mas não vi sequer um estudo ou dado científico no seu comentário. Você falou em “insignificância numérica” de casos de paranoia, então te convido a acessar as postagens que fizemos destas matérias nas redes sociais – e daí verá o tanto de gente CONCORDANDO exatamente com tudo que está aí e relatando suas próprias experiências negativas. Também percebo que vc não leu as referências citadas, sobretudo o estudo a respeito da paranoia, explicando as condições em que isso costuma acontecer – todas elas citadas no texto tb. Inclusive, vc faz questão de ser tão arrogante que colocou o estudo entre ASPAS no seu comentário, tipo desacreditando uma informação de 2014 da Universidade de Oxford! rsrs Mas está certo, você parece ser um perito mesmo no assunto, com suas experiências e amigos – e nenhuma referência científica ou argumento que não seja baseado em puro ACHISMO e uma vontade de desacreditar um trabalho sério e responsável de REDUÇÃO DE DANOS, feito para ajudar e alertar as centenas de leitores que, em 3 anos que este site está no ar, nos procuram justamente para questionar sobre tais efeitos desagradáveis que relacionamos. Se pra vc e seus amigos nunca rolou nd disso, ÓTIMO, sua opinião é bem-vinda! Mas não invalide as experiências dos outros, muito menos evidências científicas. E se quiser DESACREDITAR alguém, tenha argumentos e evidências que lhe embasem, pois de papo furado o mundo está cheio 😉 Jah bless!

  • Humberto Elia Soares

    FALANDO DE CADEIRA:
    Fumei maconha por mais de 40 anos, nunca tive nem soube de ninguém que tivesse tido paranoia que pudesse ser atribuída a ter fumado maconha, seja a quantidade que for, ao contrário, é MUITO COMUM a pessoa se livrar de uma paranoia quando fuma um baseado. Há pessoas que entram em processos paranoicos por diversos motivos e às vezes nem com maconha consegue sair.
    O uso exagerado ou não, pode dar sono realmente, mas também pode ser usada pra tirar o sono. Assim como acontece com a “larica”, que deveria estar nesta lista. Maconha em grande ou pequena quantidade, tanto pode abrir o apetite quanto afastar a fome.
    Este estudo me pareceu superficial e suas conclusões precipitadas e algumas até erradas, como no caso da paranoia.
    Maconha em excesso pode deixar o cara entorpecido, esquecendo o fio da meada, é comum por exemplo esquecer onde deixou o baseado. Isso também não aparece no estudo.

    • Humberto,

      Em primeiro lugar, em momento nenhum do artigo dizemos se tratar de um “estudo”. Estamos falando aqui de SINTOMAS DESAGRADÁVEIS que podem ser desencadeados com o uso de maconha. E não consideramos a larica um sintoma desagradável. Já a paranoia, eu pessoalmente conheço muitos amigos – e até eu mesma – que já experimentaram episódios de ansiedade após o consumo de determinadas flores/concentrados. Experimente fumar uma Cindy99, por exemplo, num momento em que talvez não seja tão propício, e você saberá do que estamos falando. Se for um dab, então, prepare-se, rsrsrsr. Claro, isso não acontece com TODOD MUNDO e nem a TODA HORA, mas pode – e acontece – sim! Inclusive, neste item em específico da paranoia eu mencionei um estudo, que gostaria que vc tivesse lido antes deste comentário precipitado tentando desclassificar meu trabalho: http://www.universityherald.com/articles/10473/20140718/cannabis-paranoia-oxford-worry-self-esteem-anxiety-psychological.htm (caso vc não leia em inglês, sugiro apelar pra um Google Translator). Acredite em mim, eu sei do que estou falando, nossas informações publicadas são exaustivamente pesquisadas e referenciadas. Enfim, se vc discorda de algo, ok – porém, não tente rebaixar nosso trabalho colocando em xeque a credibilidade do que é publicado, pois, ao contrário de outros site do gênero, trabalhamos de forma jornalisticamente SÉRIA por aqui, apurando e checando td que é publicado. Gratos!