CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > ATIVISMO > Plataforma Brasileira de Política de Drogas lança nota de repúdio ao posicionamento do governo Temer

Plataforma Brasileira de Política de Drogas lança nota de repúdio ao posicionamento do governo Temer

Adepto de uma larica paga com dinheiro público, o agora Ministro do Desenvolvimento Social Osmar Terra nem bem assumiu o cargo e já saiu proferindo toda a sorte de asneiras por aí. Um dos proibicionistas mais ferrenhos & mal intencionados do Brasil, “Treva” (para os íntimos) pretende endurecer ainda mais a política de drogas no país, segundo declarou em recente matéria d’O Globo.

Ou seja, se depender do governo interino a liberdade individual estará ameaçada pela mentalidade reacionária daqueles que defendem (e lucram) com a guerra às drogas. Disposta a se posicionar contra a postura retrógrada dos atuais governantes, a Plataforma Brasileira de Política de Drogas (PBPD) lançou no último dia 3 uma nota de repúdio, na qual afirma ver “com enorme preocupação a grave crise política brasileira e os primeiros movimentos do governo interino no tocante à política de drogas”.

Na opinião do secretário executivo da PBPD, o advogado criminalista Cristiano Maronna, “o obscurantismo de Terra pode tornar pior o que já é muito ruim”. “Em uma democracia, a autonomia privada do indivíduo é inviolável. Criminalizar o uso de drogas equivale a criminalizar ideias. Osmar Terra representa o atraso e alinha-se a uma corrente de pensamento autoritária e paternalista.”

A seguir, confira na íntegra a nota de repúdio lançada pela entidade:

Nota da Plataforma Brasileira de Política de Drogas sobre a política de drogas no governo interino

“A Plataforma Brasileira de Política de Drogas (PBPD) – rede composta por 34 instituições, grupos e coletivos das mais diversas áreas de atuação – vê com enorme preocupação a grave crise política brasileira e os primeiros movimentos do governo interino no tocante à política de drogas. Não podemos abrir mão dos poucos avanços conquistados nos últimos anos. É inegável que a atuação dos mais diversos movimentos sociais e participação de especialistas de diversos campos do saber mudaram de patamar a discussão sobre política de drogas no Brasil. Por isso mesmo, são alarmantes os sinais de que essa área do governo interino seja conduzida por uma perspectiva militar – a guerra às drogas – e, assim, esteja centrada na repressão da oferta, uma estratégia fracassada que nunca foi capaz de diminuir os danos potenciais decorrentes do uso de substâncias ilícitas. Reforçar a guerra às drogas é agravar o já inaceitável quadro da violência no Brasil, que há mais de uma década conta seus homicídios em dezenas de milhares, vitimando majoritariamente os grupos populacionais mais pobres e etnicamente discriminados, como os jovens negros.

Essas são as mesmas características sociais dos mais de 620 mil encarcerados e encarceradas no país, um número que cresce ano após ano, dos quais mais de 28% respondem pelo crime de tráfico de drogas, proporção que passa de 60% no caso das mulheres presas. A inútil escalada de encarceramento e violência segue alheia às inúmeras evidências científicas e ao crescente debate internacional acerca de inúmeras políticas alternativas.

Tampouco podemos aceitar que as políticas de cuidado e tratamento a pessoas que fazem uso problemático de drogas privilegiem a internação em detrimento da ainda incipiente rede de atenção psicossocial (RAPS) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Todo o atendimento financiado por recursos públicos deve ser sustentado por evidências científicas a respeito de sua efetividade e ter como pressuposto inegociável a garantia dos direitos humanos. Igualmente, programas de redução de danos e a de disseminação de informações qualificadas sobre drogas, que tanto evoluíram nos últimos anos, não podem ser ignorados e ofuscados em favor de discursos ultrapassados que veem no medo e na abstinência o único objetivo possível da ação estatal.

Em um momento de grave questionamento da representação política, é fundamental que todos os mecanismos de participação democrática sejam garantidos na formulação, discussão e avaliação dos diversos campos da política de drogas no Brasil. Em face dos danos, reais e potenciais, que dela decorrem, a política de drogas deve ser prioridade e não ser relegada a decisões pouco transparentes de grupos restritos de interesse e/ou legendas políticas sem compromisso com um Estado plural e laico.

A PBPD, em articulação com seus membros, está sempre aberta ao diálogo e, ao mesmo tempo, mobilizada para denunciar e enfrentar formulações políticas que caminhem no sentido oposto aos de nossos princípios: uma política de drogas que garanta e promova os direitos humanos, a saúde e a segurança públicas.”

Clique aqui para saber mais.

 

You may also like
Política de drogas brasileira é a pior do mundo, aponta relatório internacional
Associações canábicas: tudo o que você sempre quis saber sobre o tema
Drogas na Quarentena: site reúne informações sobre política de drogas em tempos de pandemia
Osmar Terra cita informações falsas ao discutir legalização da maconha

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.