CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > NOTÍCIAS > BRASIL > Primeiro remédio à base de maconha do Brasil custará R$ 2,5 mil

Primeiro remédio à base de maconha do Brasil custará R$ 2,5 mil


Aprovada em dezembro pela Anvisa, a venda de remédio à base de maconha no Brasil dá início a um mercado com preços surreais.

Exemplo disso é o primeiro remédio à base de canabinoide sintético aprovado no Brasil, que já está prestes a chegar às farmácias custando a bagatela de R$ 2,5 mil – ou R$ 2.143 com desconto no site da Droga Raia.

Produzido pelo laboratório brasileiro Prati Donaduzzi, o produto – Canabidiol 200 mg/ml – foi aprovado pela Anvisa há poucas semanas – e já estava em pré-venda no site da rede de farmácias.

No entanto, após chamar a atenção pelo preço exorbitante – que foi alvo de matérias em diversos veículos de comunicação nos últimos dias – a Droga Raia excluiu o preço da página, mantendo apenas um aviso de “produto indisponível” até a publicação desse artigo.

Eles bem que tentaram tirar as informações sobre o preço do ar, mas é óbvio que os prints já estava circulando loucamente para deixar o fato registrado.

Caro e ineficaz

É preciso ir além de criticar o preço surreal desse novo remédio à base de maconha, que apenas aprofunda o abismo de desigualdades para aqueles que não são milionários, mas também necessitam da cannabis para prevenir e tratar as mais diversas condições de saúde.

Segundo artigo da pesquisadora Luna Vargas, acreditar na eficácia de medicamentos que isolam e sintetizam canabinoides – numa quantidade ínfima – é uma ilusão que pode custar a qualidade de vida dos pacientes.

“A indústria farmacêutica é pautada pela lógica e proteção de patentes, por isso a cannabis como planta inteira não é interessante. Melhor seria isolar, sintetizar os componentes para assim serem vendidos com controle como fazem com todos os outros derivados de plantas”, diz Luna.

A grande questão é que usar a planta toda, sem isolar seus componentes, torna sua ação mais efetiva. Sendo assim, a práxis de isolar componentes, sintetizar em laboratório tornam-se obsoletas e menos eficientes. Por consequência, a única forma de controlar o uso de uma planta passa a ser protecionismo político e desinformação. Criando leis para limitar componentes da planta, burocratizando e fazendo um trabalho extensivo de não fornecer informação de qualidade para a população em geral, deixando assim esse poder nas mãos das grandes indústrias farmacêuticas e conglomerados médicos, porque são esses atores que tem o poder histórico sobre a narrativa da saúde”, completa a pesquisadora.

E você, em que prefere confiar a sua saúde? À natureza, com suas flores perfeitas e repletas de componentes terapêuticos? Ou aos laboratórios, com seus compostos sintéticos?

*Junte-se à roda do Maryjuana no Telegram.

You may also like
Justiça autoriza cultivo de maconha para tratamento de tumor cerebral
Registro para vender produtos de cannabis pode ser pedido online
Associação oferece CBD para médicos na frente de combate ao coronavírus
Luís Carlos Valois: “A hipócrita proibição da maconha em tempos de pandemia”

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.