CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > NOTÍCIAS > CIÊNCIA > Entidades unem forças para liderar cobrança global em pesquisa sobre maconha

Entidades unem forças para liderar cobrança global em pesquisa sobre maconha


A Citiva Jamaica deu outro passo importante em sua relação contínua com a Universidade das Índias Ocidentais, Campus Mona (UWI). A empresa de pesquisas médicas realizou seu primeiro seminário sobre Educação Médica Continuada (CME) em 15 de outubro de 2015, durante o qual Jack D’Angelo, MD, MBA, e diretor médico da Citiva, transmitiu uma palestra sobre Canabinoides e a Gestão de Múltiplos Estágios de Doença.

A Citiva está focada em promover o estudo da maconha e sua eficácia no campo da medicina. Em julho, a empresa iniciou a construção da primeira instalação do mundo dedicada à pesquisa médica da maconha na UWI.

“Nos EUA, só temos permissão de estudar legalmente os efeitos indesejáveis [da maconha]; esses são os únicos estudos que podem ser financiados”, declarou D’Angelo, acrescentando que “esses estudos são um pouco desleais em sua interpretação”. A pesquisa da Citiva vai se concentrar no sistema endocanabinoide ­- um sistema dentro do corpo humano que está envolvido em uma variedade de processos psicológicos incluindo o apetite, sensação de dor, humor e memória. A Citiva está buscando mostrar como os canabinoides que ocorrem naturalmente na maconha afetam diferentes estágios de doença, especialmente a Diabetes Tipo II, Epilepsia e Dor Neuropática.

O apoio para o seminário inaugural veio de uma ampla gama de áreas médicas, com muitos indivíduos aguardando o início dos estudos clínicos da Citiva. “É bom ver que houve um comparecimento multidisciplinar”, declarou Eric Williams, que é consultor em Medicina Emergencial no Hospital Universitário. Entre os presentes, estavam a Dra. Roxanne Melbourne-Chambers, neuro-pediatra, o Dr. Dagogo Pebble, palestrante sênior sobre fisiologia na UWI, e Joy McHugh, diretor executivo da Associação Jamaicana de Epilepsia.

“Trata-se de uma indústria crescente”, declarou Pebble, “e ter a Citiva aqui será como ter [a pesquisa] no lar da planta.” A pesquisa da Citiva sobre Diabetes Tipo II, epilepsia e dor neuropática pode ter benefícios adicionais para a população local. “Especialmente dentro de nosso contexto e nossos recursos limitados, seria uma opção digna de ser pesquisada para ver se é clinicamente aplicável”, declarou Chambers, que trata de muitas crianças com epilepsia grave no Hospital Universitário.  Espera-se que o custo dos tratamentos canabinoides seja significativamente menor que os produtos sintéticos.

Junto com seu trabalho na UWI, a Citiva está trabalhando de perto com a Associação Jamaicana de Diabetes (DAJ) e a Associação Jamaicana de Epilepsia (JEA) para estudar essas doenças e como os canabinoides podem ser benéficos ao tratamento. Uma iniciativa, encabeçada pela Citiva e a JEA, é tornar os tratamentos com canabinoides disponíveis a todas as crianças afligidas pela epilepsia. “As pessoas nos EUA se mudam para estados nos quais [a maconha] é disponibilizada para tratar seu filhos”, declarou D’Angelo, que usou um trecho da CNN do Dr. Sanjay Gupta como exemplo principal de como esses tratamentos funcionam.

A empresa pretende tornar os médicos e educadores cientes dos avanços das pesquisas sobre a maconha. “Mesmo em faculdades médicas, não gastamos muito tempo educando as pessoas sobre esse assunto”, de acordo com D’Angelo. A esperança é transformar essa série de Seminários sobre CME em um programa na UWI que será parte essencial para a comprovação da eficácia dos tratamentos com canabinoides.

*Fonte: PR Newswire

You may also like
Sistema endocanabinoide participa do processo de hibernação de marmotas
Fiocruz inicia plano de pesquisa para usar maconha
Reino Unido revisará lei sobre uso medicinal da maconha
Portugal aprova uso de maconha para fins medicinais

Leave a Reply