Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > NOTÍCIAS > MUNDO > Maconha também é protagonista nas eleições dos EUA

Maconha também é protagonista nas eleições dos EUA


Espalhe a boa !
O azul democrata e o vermelho republicano tingirão o mapa dos Estados Unidos na próxima terça-feira (8/11), dia das eleições presidenciais, mas a estas duas cores também vai se misturar um verde cada vez mais intenso, pois nove estados votarão também pela legalização da maconha.

Referendos em Califórnia, Arizona, Maine, Massachusetts e Nevada serão celebrados em 8 de novembro para aprovar a posse e o uso recreativo da erva, bem como regulamentar seu cultivo, produção e venda.

Iniciativas similares já foram aprovadas em quatro estados e no distrito de Columbia, que abriga a capital, Washington DC.

Arkansas, Flórida e Dakota do Norte votarão sobre sua legalização para uso medicinal, já autorizada em 25 estados e em DC. Montana decidirá se flexibiliza as condições já existentes para sua venda com fins terapêuticos.

Os Estados Unidos são o maior consumidor de drogas do mundo e para muitos a legalização pelo menos da maconha contribuiria para acabar com décadas de uma guerra antidrogas centrada na América Latina com milhares de mortos e pouca redução do consumo ao norte do rio Bravo.

A maconha é a droga ilícita mais popular do país e 57% dos americanos são favoráveis à sua legalização, indicou uma pesquisa do Pew Research Center. Em 2006, o apoio era de 32%.

O debate está aberto logo quando o Canadá planeja legalizar a maconha em 2017. O Uruguai foi o primeiro país a regulamentar seu consumo, venda e produção em 2014.

Uma vitória nos cinco estados, inclusive os gigantes Califórnia e Flórida, tornaria “inevitável” uma expansão para outros estados e, inclusive, em cinco anos, a legalização em nível federal, explicou à AFP Troy Dayton, cofundador e CEO da Market Research, uma empresa especializada na pesquisa deste mercado.

O governo central considera crime o consumo e a venda de maconha.

O Colorado foi o primeiro estado a legalizar, também em um referendo, o mercado recreativo, em 2012, quando o país levava mais de uma década comercializando a erva para fins medicinais.

A compra e venda em DC, embora legais, ainda estão proibidas até que o Congresso regulamente o mercado.

O que está claro é que se trata de uma indústria rentável. Em 2014, movimentou 4,6 bilhões de dólares – 92% vendidos com fins medicinais – e a projeção para 2020 é que chegue a 20 bilhões de dólares, 53% provenientes do uso recreativo, segundo a Arcview.

Só na Califórnia, que é uma das maiores economias do mundo, movimentaria US$ 6,4 bilhões esse ano.

“É hora de legalizar, taxar e regular a maconha”, afirmou o vice-governador da Califórnia, Gavin Newsom, que não hesita em dizer que “não se trata de uma discussão de hippies”.

Os opositores nos diferentes estados criticam que a legalização possa levar a que haja cultivos perto de escolas, bem como um aumento dos dependentes, inclusive jovens e crianças, assim como um maior número de acidentes de trânsito e um reforço do mercado negro e dos cartéis da droga.

Mercado canábico

A discussão está direcionada, ainda, ao medo, compartilhado por pequenos agricultores, de que gigantescas corporações, como a indústria do tabaco, tomem o controle do negócio.

“Sempre haverá mercado para a cannabis artesanal porque há uma cultura de alto paladar como o do café, cerveja e vinho”, assegurou Dayton, que avaliou que as grandes corporações só entrarão no negócio com a legalização federal, segundo ele, em pelo menos cinco anos.

“Isto permite que pequenos e médios produtores dirijam uma indústria multimilionária sem ter que competir com os peixes grandes”, enfatizou.

Neste momento, as limitações que o governo impõe tornam inviável que grandes companhias entrem no jogo. Muitos bancos, por exemplo, que são regulados por uma autoridade federal, optam por não aceitar negócios relacionados com a maconha devido à esgotadora carga burocrática para demonstrar a legitimidade do dinheiro. E os que aceitam, cobram taxas altíssimas.

Tanto Hillary quanto Trump se mostraram favoráveis ao uso medicinal da maconha, mas não o recreativo.

A agência antidrogas DEA, entretanto, informou em agosto que rejeitaria qualquer solicitação de autorizar seu uso terapêutico. Seu chefe, Chuck Rosenberg, disse há um ano que era “uma piada” dizer que a maconha pode ser usada para a saúde.

Por enquanto, para evitar conflitos entre diferentes níveis de governo, o Congresso proibiu qualquer ação federal contra pessoas relacionadas ao negócio da cannabis em estados onde é legal.

Outros referendos sobre a maconha estão previstos em 2017 e 2018. Se os de 8 de novembro forem aprovados, 84 milhões de americanos passarão a viver neste novo mapa verde.

*Fonte: AFP, via IstoÉ Dinheiro

You may also like
Congresso recebe projeto para descriminalizar a maconha nos EUA
Universidade Estadual de Nova York terá curso voltado ao mercado canábico
Dispensário de maconha nos EUA oferece desconto para professores em greve
Vaporizadores já são mais comuns do que cigarros entre militares dos EUA

Leave a Reply