Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > NOTÍCIAS > NEGÓCIOS > “Maconha é a nova cerveja artesanal”, declara ex-executivo da InBev

“Maconha é a nova cerveja artesanal”, declara ex-executivo da InBev


Espalhe a boa !
  • 1.2K
    Shares
Chris Burggraeve, ex-diretor de marketing da Anheuser-Busch InBev, deixou de se ocupar com lúpulo e cevada e agora se concentra em maconha. O pessoal do setor de bebidas alcoólicas está de olho no promissor mercado de cannabis legalizada.

Burggraeve, 52 anos, fez dois investimentos no ramo. Ele integra o conselho da GreenRush Group, startup de São Francisco que pretende ser a Amazon da erva e fechou uma rodada de captação de US$ 3,6 milhões na semana passada. Burggraeve, mestre em Economia nascido na Bélgica, também foi cofundador da Toast, que vende cigarros de maconha já enrolados.

O executivo é um dos muitos empreendedores e investidores vindos do mundo tradicional dos negócios para o mercado de maconha. O setor cervejeiro deu seu primeiro grande passo no mês passado, quando a Constellation Brands, que vende a marca Corona nos EUA, anunciou um investimento na canadense Canopy Growth, que vende produtos à base de maconha medicinal. Na opinião de Burggraeve, este é apenas o começo.

“É uma das categorias que mais cresce globalmente”, ele disse. “Por que? Porque as pessoas querem. Quando os consumidores querem algo, ignore por sua própria conta e risco.”

Segundo pesquisa da Gallup divulgada no mês passado, 64 por cento da população dos EUA quer acabar com a proibição do governo federal à maconha. É a maior parcela desde que a empresa começou a sondagem sobre o assunto, em 1969, ano do lendário festival de música de Woodstock. Na época, só 12 por cento tinham essa posição.

Após sair do marketing corporativo há cinco anos, Burggraeve passou a trabalhar com ensino, consultoria e investimento no que ele considera categorias de ruptura.

Para ele, a maconha pode abalar as grandes cervejarias da mesma forma que as cervejarias pequenas e independentes têm feito há 20 anos.

“Da mesma forma que a cerveja artesanal começou, por muito tempo foi ignorada e então disparou, não há razão para a mesma coisa não acontecer nesse ramo”, ele disse. “Será parte suplementando e parte complementando. Não se sabe como e onde isso vai acontecer.”

A GreenRush opera uma plataforma tecnológica que conecta consumidores, distribuidores e entregadores que levam maconha até a casa das pessoas. A empresa, que já atua na Califórnia e em Nevada, planeja se expandir para outros Estados americanos, incluindo Nova York e Massachusetts.

Negócio arriscado

A ideia é construir o negócio antes que a maconha seja legalizada pela legislação federal. Grandes empresas, como a Amazon.com, mantêm distância do negócio por causa da proibição federal.

Nos EUA, é legal consumir maconha com fins recreativos em oito Estados, além do Distrito de Colúmbia (onde fica a capital, Washington). Isso significa que um em cada cinco adultos nos EUA pode usar a droga como quiser.

Além disso, 21 outros Estados permitem uso medicinal da planta. O setor faturou US$ 6 bilhões em 2016 e a Cowen estima que as vendas chegarão a US$ 50 bilhões até 2026.

Ainda assim, investir em maconha implica riscos. O governo do presidente Donald Trump deu sinais mistos, embora o procurador-geral Jeff Sessions seja veementemente contra a legalização. Instituições bancárias tradicionais também mantêm distância, de modo que a maioria das transações precisa ser feita em dinheiro.

A Constellation talvez tenha quebrado o tabu. Para Burggraeve, as companhias podem achar que vale a pena correr o risco. Se isso não acontecer, fabricantes de bebidas alcoólicas podem ficar para trás.

“Tudo isso vai se fundir, se fertilizar mutuamente e se juntar – não porque as empresas querem, mas porque os consumidores querem”, prevê Burggraeve.

*Fonte & foto: Bloomberg

You may also like
Mercado canábico no Brasil movimenta R$ 9,6 bilhões ao ano
É seguro dirigir depois de fumar maconha? Especialistas ainda não sabem
Empresa canadense inaugura primeira fábrica de maconha medicinal em Portugal
Lojas de conveniência do Canadá se preparam para vender maconha

Leave a Reply