Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > MEDICINAL > CBD auxilia tratamento da síndrome de Lennox-Gastaut

CBD auxilia tratamento da síndrome de Lennox-Gastaut


Espalhe a boa !
A síndrome de Lennox-Gastaut é um tipo de epilepsia que geralmente se manifesta durante a infância, entre o segundo e o sexto ano de vida. Mesmo com o tratamento com medicamentos aprovados, muitos pacientes continuam a apresentar convulsões. Recentemente, um grupo de pesquisadores relatou que o canabidiol pode pode ser um grande aliado no combate à doença.

A síndrome de Lennox–Gastaut é causada por diversos fatores e tem como características os tipos variados de crises convulsivas e o comprometimento cognitivo grave. As convulsões geralmente começam na infância e persistem até a fase adulta em 90% dos casos.

O canabidiol (CBD) é uma substância não psicoativa encontrada na maconha dotada de diversas propriedades medicinais. Estudos já demonstraram que a substância pode ser eficiente no tratamento da acne, esquizofrenia, ansiedade, dependência de opióides e álcool, e epilepsia (1, 2).

As convulsões na síndrome de Lennox-Gastaut geralmente começam na infância e persistem até a fase adulta em 90% dos casos.

Recentemente, um grupo de pesquisadores relatou na renomada revista científica New England Journal of Medicine que o CBD também é eficiente no controle das convulsões em pacientes com a síndrome de Lennox–Gastaut.

No estudo, foram avaliadas duas doses de CBD, administradas duas vezes ao dia por via oral. É importante ressaltar que o CBD não foi utilizado em substituição, mas sim como adjuvante no regime de medicação antiepiléptica convencional nos pacientes com a síndrome de Lennox-Gastaut.

Os pesquisadores observaram que ambas as doses de CBD tiveram a propriedade de reduzir o número de crises convulsivas. A dose menor, 10 mg de CBD, reduziu as crises em 37,2%. Já na dose maior, 20 mg, a redução foi de 41,9%. Além disso, os efeitos colaterais mais comuns relatados durante o tratamento com CBD foram apenas sonolência, diminuição do apetite e diarréia.

*Por Lia Esumi: Bióloga, MS/PhD em Psicobiologia e colaboradora no Maryjuana.

You may also like
Argentina aposta na produção estatal de maconha para uso terapêutico
Pesquisa de Harvard afirma que usuários de cannabis possuem mais espermatozoides
CBD auxilia no tratamento de problemas causados pelo uso de álcool
Portugal legaliza uso de maconha com fins terapêuticos

Leave a Reply