Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > ATIVISMO > ARTIGOS > Maconha para nosso bem-estar

Maconha para nosso bem-estar


Espalhe a boa !
  • 154
    Shares
Um estudo publicado no International Journal of Drug Policy traz uma crítica que vai botar muita gente pra pensar: drogas ilícitas também são utilizadas para nosso bem-estar.

Historicamente, o termo “droga” vem quase sempre acompanhado de uma conotação ruim, e tudo piora quando a “droga” é “ilícita”. Essa fardo negativo do termo também é carregado pelas pessoas que utilizam as drogas. Ser “drogado” na sociedade atual é quase um sinônimo de “delinquente”, “irresponsável” e “sem futuro”. E isso vale para todas as drogas ilícitas, inclusive a maconha.

Esta visão do uso de drogas ilícitas admite previamente que qualquer uso é ruim, problemático, destrutivo à saúde e felicidade, sem antes considerar o propósito e o resultado do uso da substância. Esta reflexão faz parte da crítica de Todd Subritzky, publicada recentemente no periódico científico International Journal of Drug Policy.

A maconha para o bem-estar

Subritzky cita em seu estudo que pesquisadores verificaram que a grande maioria das pessoas usam maconha por sentir prazer em fazê-lo. Isso não é lá uma novidade, levando em conta que o principal efeito da maconha no humor é a euforia.

Mas é aí que o conflito entre literatura científica e realidade começa: A maioria dos estudos científicos sobre a maconha se refere ao uso problemático ou aos problemas mais graves que ela pode precipitar, tais como alguns problemas psiquiátricos. Porém, este cenário se refere à minoria das pessoas que utilizam maconha, uma porcentagem menor que 10%. Os outros 90% representam o uso não-problemático, medicinal, recreacional e pelo simples prazer.

90% das pessoas que consomem maconha fazem uso não-problemático, que pode ser medicinal, recreacional ou pelo simples prazer.

No artigo, o bem-estar é definido como “um fenômeno bio-psicosocial que integra o ambiente interno e externo, indo do funcionamento físico (capacidade de lidar com a doença), do bem-estar psicológico (emocional, cognitivo), do bem estar espiritual, à segurança, riqueza, liberdade, oportunidade e felicidade”.

Dentro deste contexto, Subritzky explica que “quando a maconha é ingerida conscientemente, para produzir um efeito desejado que traz algum valor à vida, ela está sendo usada para fins de bem-estar”. A intenção pode ser o controle da ansiedade, relaxamento, melhora do apetite, aliviar o estresse ou simplesmente para provocar riso 🙂

Subritzky ressalta no artigo que, pelo menos com relação à maconha, a visão do consumo está aos poucos se afastando do modelo “deficitário” (que só prejudica a pessoa que a utiliza) e indo para um reconhecimento com mais nuances. Uma evidência é a recente recomendação da Global Commission on Drug Policy em se utilizar o termo “pessoa com uso não-problemático da Cannabis”.

*Por Lia Esumi: Bióloga, MS/PhD em Psicobiologia e Colaboradora do Maryjuana.

You may also like
Assine já: Ideia Legislativa propõe descriminalização do comércio de sementes de maconha no Brasil
Argentina aposta na produção estatal de maconha para uso terapêutico
Pesquisa de Harvard afirma que usuários de cannabis possuem mais espermatozoides
CBD auxilia no tratamento de problemas causados pelo uso de álcool

Leave a Reply