Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > MEDICINAL > Usuários de maconha precisam de sedação duas vezes maior do que os outros pacientes no hospital

Usuários de maconha precisam de sedação duas vezes maior do que os outros pacientes no hospital


Espalhe a boa !
  • 719
    Shares
Pesquisa norte-americana afirma que os consumidores habituais precisam até 220% a mais de propofol para conseguir uma sedação excelente.

Os pacientes que consomem maconha regularmente podem precisar de uma sedação duas vezes maior do que o nível habitual quando se submetem a procedimentos médicos, de acordo com um estudo realizado por pesquisadores no Colorado (EUA). O estudo, publicado no The Journal of the American Osteopathic Association, examinou mais de 250 registros médicos de pacientes que receberam procedimentos endoscópicos após 2012, quando o Estado do Colorado legalizou a cannabis recreativa.

O resultado foi que os pacientes que fumavam ou ingeriam cannabis diária ou semanalmente precisavam 14% a mais de fentanil, 20% a mais de midazolam e 220% a mais de propofol para conseguir uma sedação excelente nos procedimentos de rotina, incluindo a colonoscopia.

O médico osteopata de medicina interna e principal pesquisador do estudo, Mark Twardowski, afirma que “alguns dos medicamentos sedativos têm efeitos secundários dependendo da dose, o que significa que quanto maior a dose, maior a probabilidade de problemas. Isso se torna particularmente perigoso quando a função respiratória suprimida é um efeito secundário conhecido”.

O doutor e seus colegas dos serviços de emergência notaram que mais pacientes reportavam queixas sobre náuseas crônicas, um sintoma que pode ocorrer pelo consumo regular de cannabis. E observaram que alguns pacientes precisavam de doses muito mais altas à anestesia geral e ocorriam taxas mais altas de convulsões pós-operatórias. Foi isso que levou o médico e seus colegas a recopilar os dados.

De acordo com o estudo, o consumo de cannabis nos EUA aumentou 43% entre 2007 e 2015. E explica que à medida que mais Estados legalizarem a cannabis medicinal e recreativa, também existirá um potencial maior à recopilação de dados significativos, já que até agora havia uma falta de pesquisa pela classificação da cannabis como droga. Os pesquisadores acham que incluir perguntas específicas sobre o consumo de maconha aos formulários de dieta de pacientes é o primeiro passo para obter informação útil que influencie nos cuidados.

O doutor Twardowski afirma que “esse estudo realmente marca um pequeno primeiro passo. Ainda não entendemos o mecanismo por trás da necessidade de doses mais altas, o que é importante para encontrar melhores soluções de administração da atenção”.

A equipe do doutor está agora desenvolvendo um estudo de acompanhamento sobre as diferenças nos requisitos de sedação e anestesia, assim como o manejo da dor após o procedimento para os usuários habituais de cannabis em relação aos não usuários.

*Fonte: El Pais

You may also like
Em Washington, legalização da maconha não aumentou o consumo entre adolescentes
Tratamento com CBD pode reduzir o consumo de cocaína
Pesquisa de Harvard afirma que usuários de cannabis possuem mais espermatozoides
Estudo aponta que vaporizar diariamente não causa danos ao pulmão

Leave a Reply