CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > NOTÍCIAS > MUNDO > França implanta multa para usuários de maconha

França implanta multa para usuários de maconha

/

Visando combater sobretudo a utilização de maconha, a França implanta uma multa fixa por uso de drogas.

A medida entra em vigor em todo o país nesta terça-feira (1º), sob o olhar crítico de muitos magistrados e profissionais de saúde.

Testada desde junho em Rennes, Reims, Créteil e em meados de julho em Lille e Marselha, esta multa de € 200 euros (R$ 1.293,00), que em teoria se aplica a todas as drogas, mas visa principalmente os fumantes de cannabis, foi generalizada mais rápido do que o esperado.

Depois de um tiroteio relacionado ao tráfico em Nice, no final de julho, o primeiro-ministro Jean Castex decidiu aplicá-la em toda a França desde o início do ano letivo, neste 1º de setembro. A multa permite “aplicar sem demora uma sanção” e “lutar contra os pontos de revenda que assolam os distritos”, segundo o Primeiro-Ministro.

O ministro do Interior, Gerald Darmanin, elogiou uma “técnica que consiste em aniquilar todo o narcotráfico e todo o consumo”, e prometeu que a sanção será aplicada em todos os lugares, “tanto nos bairros de Créteil como no 16º distrito de Paris”, disse o ministro para ilustrar que a medida será aplicada tanto no subúrbio quanto nos bairros mais ricos.

Apesar de ter uma das políticas mais repressivas da Europa – o uso de entorpecentes é punível com um ano de prisão e uma multa de € 3.750 euros -, os franceses são os primeiros consumidores de cannabis no continente, e o terceiro lugar no ranking da cocaína.

A multa fixa foi pensada pela maioria do partido do presidente Emmanuel Macron, A República em Marcha (LREM, em francês), para lutar contra a “descriminalização de fato” da cannabis.

Fixada em € 200 e inscrita no registro criminal do usuário, a multa fixa diz respeito apenas a maiores de 18 anos e pode subir para € 150, no caso de não pagamento no prazo de 15 dias, e para € 450 euros, se não for paga depois de 45 dias.

Segundo os defensores, a nova lei vai facilitar o trabalho da polícia. “Isso evita dezenas de horas de processo, vamos ter um simples lembrete da lei”, cumprimenta Stanislas Gaudon, delegado geral do sindicato da Aliança, de policiais.

Críticas e ceticismo

“A multa leva os usuários a se esconderem e remove o acesso aos médicos. Se você pagar a multa, quem vai encorajá-los a encontrar um profissional?”, pergunta Nathalie Latour, delegada geral da Federação do Vício.

Crítica compartilhada pela União Sindical dos Magistrados (USM), sindicato que representa a maioria dos juízes franceses. O seu secretário-geral, Jacky Coulon, deplora um dispositivo que “transfere o poder discricionário da acusação para a polícia” e com o qual “não se coloca a questão do cuidado”. Tudo isso, segundo ele, para uma suposta economia de tempo. “Os assuntos do consumidor não são os mais demorados”, reclama.

Em Créteil, na periferia de Paris, onde o Ministério Público aplica multas para quantidades de cannabis inferiores a 30 gramas e mantém o procedimento clássico para usuários de cocaína, a medida é colocada em perspectiva. Ainda pouco utilizada, a multa é “mais uma resposta ao uso de entorpecentes, para tentar estancar a demanda. Mas isso não fará desaparecer o tráfico”, diz o magistrado.

Em dois meses de experimentação, 545 multas foram aplicadas em todas as cidades-teste. O Ministério Público de Rennes indicou no final de agosto que, dentro da sua jurisdição, 32% dos litigantes que receberam a multa a pagaram.

“Com 500 multas em cidades com 1,6 milhão de habitantes, e uma em cada três pessoas que pagam, essa medida já é um fracasso. É uma condenação na calçada, que vai fortalecer os controles faciais”, acredita Béchir Saket, cofundador da associação L630, a favor da descriminalização.

Delivery para os ricos

Enquanto os consumidores ricos recebem a droga em casa, “não vamos bater na casa das pessoas para descobrir se elas usam drogas”, reconhece o deputado Eric Poulliat (LREM), co-autor de um relatório parlamentar que inspirou a multa . “Mas já é bastante para mostrar a um garoto que seu irmão mais velho não pode fumar um baseado no terraço sem se preocupar.”

A multa “não terá efeito profundo sobre o consumo, nem sobre o congestionamento dos tribunais. Ela serve para revogar uma proibição penal e dar tempo à polícia para lutar contra o tráfico”, lembra o deputado, para quem prevenção para os menores continua a ser “essencial”. Para tanto, as receitas geradas pelas multas fixas devem ser usadas para a luta contra o vício.

*Fonte: RFI

**Junte-se à roda do Maryjuana no Telegram.

You may also like
Deputado francês leva baseado ao Parlamento durante debate sobre legalização da maconha
Amsterdã reforça planos para restringir turistas nos coffee shops
Menos cocaína, mais maconha: o consumo de drogas durante a pandemia
“Comigo não tem liberação de droga nem plantio”, diz Bolsonaro sobre maconha

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.