CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > NOTÍCIAS > MUNDO > Clubes canábicos de Barcelona correm risco de fechar após revés judicial

Clubes canábicos de Barcelona correm risco de fechar após revés judicial

/

Cerca de 200 clubes canábicos de Barcelona, na Espanha, possuem futuro incerto após decisão desfavorável da Justiça.

Chamados em espanhol de “asociaciónes”, os clubes canábicos já fazem parte da cultura local de Barcelona, que concentra centenas deles.

Mas essa tradição está ameaçada por uma decisão da Suprema Corte, que desferiu outro golpe na brecha legal que permitiu que cerca de 200 clubes locais continuassem operando até hoje.

As “asociaciónes” são definidas oficialmente como clubes de membros privados, embora geralmente contam admitam a participação de turistas, mediante uma taxa de adesão de cerca de 10 euros.

Em 2014, a Agência de Saúde Pública da Generalitat de Catalunya propôs novas medidas rígidas para regulamentar os clubes canábicos.

A Generalitat é o governo regional da Catalunha, que possui amplos poderes sob o sistema descentralizado da Espanha, embora não possa anular a legislação nacional do país. E a lei espanhola, diga-se de passagem, permite o uso privado de cannabis.

Imbróglio judicial

Os clubes de cannabis sofreram outro revés em 2017, quando o Supremo Tribunal anulou a lei catalã local. Essa lei afirmava que “o consumo privado de cannabis por adultos faz parte do exercício do direito fundamental ao livre desenvolvimento pessoal e à liberdade de consciência”.

Dessa forma, os clubes continuaram a operar sob um estatuto municipal que regulamentava a venda de cannabis. Mas isso também foi rejeitado pelos juízes, retirando a autoridade das instâncias municipais.

“A maioria das associações presume que, mais cedo ou mais tarde, serão forçadas a fechar”, declarou Eric Asensio, porta-voz da Federação das Associações Catalãs de Cannabis, ao jornal The Guardian. “Mais uma vez, o Judiciário ataca as associações sem levar em conta a realidade de Barcelona, ​​cidade que convive com essas entidades há mais de 30 anos.”

Autoridades municipais disseram que em breve inspecionarão os clubes, “começando pelos de maior impacto negativo e voltados para turistas e vendas massivas”.

Asensio acrescentou que, se a cidade mantivesse os regulamentos em vigor, o crime seria reduzido porque impediria que gangues e membros da máfia se infiltrassem no sistema.

Não está claro se a última decisão será mantida e se os clubes ainda têm algum arsenal para defender seu setor.

Máfia e gangues locais

A Vice News publicou uma reportagem sobre o aumento da atividade ilegal em Barcelona, ​​a “Capital da Cannabis” da Europa.

Os jornalistas relatam que, quando o turismo caiu, a máfia e os membros de gangues rapidamente tomaram o controle do comércio de cannabis, muitas vezes trabalhando em uníssono com alguns dos clubes.

Assista:

As associações funcionaram inicialmente como clubes privados onde os membros podiam comprar e fumar maconha nas instalações.

Mas, recentemente, muitos abandonaram esse modelo para se tornarem mercados para as enormes quantidades de cannabis cultivadas na Catalunha – sob o controle da Europa Oriental e de outras organizações mafiosas.

Em 2020, a polícia desmantelou 34 organizações criminosas que surgiram ligadas à cannabis e destruiu 319 plantações.

Vale lembrar que a Espanha é notavelmente tolerante com os crimes relacionados com a cannabis e os criminosos raramente ficam na prisão mais de dois anos por qualquer tipo de crime relacionado com a cannabis.

Com o colapso do turismo em Barcelona devido ao COVID-19 , o negócio da cannabis é um dos poucos prosperando na Catalunha, mas além das luzes baixas das associações, forças mais sombrias estão em jogo.

Um relatório interno do Mossos d’Esquadra, a polícia catalã, afirma que “a Catalunha é o epicentro do mercado ilegal de maconha da Europa” e se tornou um exportador líquido de cannabis para outros países europeus.

Também preenchendo o vazio, uma gangue chinesa conhecida como “Bang of Fujian” estava usando os clubes de Barcelona e outras cidades espanholas para vender cannabis cultivada ilegalmente. A Europol invadiu 29 armazéns em Barcelona, ​​fechando efetivamente as operações da gangue.

A outrora inocente indústria de clubes de cannabis de turismo em Barcelona pode piorar, se a Suprema Corte continuar a encerrar os regulamentos da cidade que tornam a cidade mais segura.

*Fonte: High Times

**Junte-se à roda do Maryjuana no Telegram e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
You may also like
Califórnia está cultivando mais maconha legal do que consegue vender
Hotel boutique nos EUA oferece hospedagens para canabistas
5 refúgios canábicos ao redor do mundo para você relaxar
Deputado francês leva baseado ao Parlamento durante debate sobre legalização da maconha

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.