CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > SAÚDE > Maconha apresenta eficácia no combate às superbactérias

Maconha apresenta eficácia no combate às superbactérias


Levantamento publicado em agosto na revista Antibiotics sugere eficácia da maconha no combate às superbactérias – nome dado aos patógenos resistentes aos antibióticos atualmente disponíveis.

Segundo o artigo – que consiste em uma revisão bibliográfica sobre o tema – os canabinoides podem ser uma nova fonte de antibióticos naturais.

A análise afirma que, embora os antibióticos tenham salvado milhões de vidas desde sua descoberta, “seu uso indevido resultou no surgimento de resistência antibacteriana (AMR), que é uma ameaça significativa à saúde humana global”.

Os pesquisadores revisaram mais de 70 anos de pesquisa envolvendo as propriedades antibacterianas da maconha, iniciando com estudos datados da década de 1950, antes mesmo da composição química da erva ser conhecida como é hoje. (Para se ter uma ideia, o CBD e o THC só foram isolados em meados dos anos 1960).

O levantamento inclui, entre outros, um estudo de 2001  que examinou as propriedades antibióticas de óleos essenciais derivados de cinco cultivares de maconha diferentes, sugerindo que “a atividade antimicrobiana do óleo essencial de Cannabis sativa pode ser considerada modesta”.

A revisão menciona várias outras pesquisas que investigam o potencial antimicrobiano dos extratos canábicos, bem como uma investigação das propriedades antimicrobianas do haxixe.

Terpenos X superbactérias

Vale lembrar que existem milhares de variedades de cannabis com perfis químicos diversos. Algumas cepas são ricas em terpenos, como pineno ou beta-cariofileno, que apresentam propriedades antimicrobianas. Outras strains não têm perfis de terpeno com as mesmas características.

Um estudo citado na revisão descobriu que os extratos de sementes de cannabis têm um efeito inibitório sobre a bactéria Staphylococcus aureus , “o que indica que esses extratos podem ter um enorme potencial como conservantes nas indústrias de alimentos e cosméticos”.

Outro estudo apontou que os óleos de cânhamo “demonstraram ter atividade antimicrobiana moderada a boa”, incluindo contra Listeria monocytogenes  (um tipo de bactéria que pode sobreviver – inclusive em produtos alimentícios – mesmo quando refrigerada).

Propriedades antibióticas da erva

A revisão chega a uma conclusão bastante simples: a de que a maconha “é uma planta com potencial inexplorado. Tem um extenso perfil metabólico e suas propriedades medicinais não devem ser negligenciadas ou ofuscadas por seu uso excessivo como uma droga recreativa”.

Os pesquisadores também observaram que, “como as bactérias estão desenvolvendo rapidamente resistência aos medicamentos existentes, os canabinoides representam uma oportunidade promissora como uma nova fonte potencial de antibióticos”.

Embora mais pesquisas sejam necessárias, as propriedades antimicrobianas da cannabis já são consideradas irrefutáveis.

*Fonte: Cannigma, via Benzinga

**Junte-se à roda do Maryjuana no Telegram.

You may also like
5 benefícios do CBD para atletas
Minicérebros auxiliam testes de diferentes tipos de cannabis
Maconha pode prejudicar pacientes cardíacos, mas há controvérsias
Justiça autoriza paciente a plantar maconha em Porto Alegre

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.