Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > ATIVISMO > ARTIGOS > Postura retrógrada do STF é reflexo da opinião pública

Postura retrógrada do STF é reflexo da opinião pública


Espalhe a boa !
Em novembro de 2015, uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o RE 603.616 permitiu que os policiais invadam residências sem mandado, apenas com causa provável.

Em uma situação em que a polícia precise adentrar uma residência para apagar um incêndio ou salvar um animal de maus tratos tal atitude é coerente. Mas esperamos que isso não seja usado como desculpa para entrar na casa das pessoas procurando baseados e vasos de plantas. Jardineiros não apresentam perigo à sociedade e plantam apenas para fugir do tráfico.

As cláusulas pétreas de nossa Constituição deveriam ser alteradas apenas para ampliar direitos, e nunca diminuí-los. No Art. 5º da mesma lemos que:

“XI – a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por determinação judicial.”

Este trecho de nossa Carta Magna não pode ser interpretado erroneamente para beneficiar invasões injustificadas. Quando vejo esse tipo de coisa tenho a impressão de estar revivendo 1964.

Esse tipo de decisão intimida ainda mais as pessoas que plantam ou armazenam cannabis em casa. E a extrema direita conservadora, junto com seus amigos fanáticos religiosos, se torna cada vez mais agressiva.

Quanto a prender réus condenados em segunda instância, digo que essa decisão tem base em ideias de regimes totalitários. Nossas leis deveriam acompanhar a realidade do nosso tempo, e não retroceder a séculos anteriores.

Em seu artigo 5º, inciso LVII, a Constituição diz: “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”. Não existe maneira de interpretar isso erroneamente.

Em tempos em que buscamos o fim da guerra às drogas me parece que algumas pessoas buscam aumentar a população do nosso falido sistema prisional.

Decretou-se o fim da presunção de inocência, contrariando a cláusula pétrea inserida no inciso 57 do artigo 5º da Constituição de 1988: “Ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”.

Pensar que a presunção de inocência é inválida é desacreditar do ser humano. Votaram da mesma maneira que um seguidor de regimes totalitários votaria. É uma decisão que levará para a prisão milhares de pessoas.

Direitos individuais

Estão tentando diminuir a todo custo nossos direitos individuais e sociais. Isso é uma implantação de censura pública, propagada aos quatro ventos pelos mesmos apoiadores de 64.

O Instituto dos Advogados do Brasil emitiu nota afirmando que o Supremo “enterrou a Constituição” e feriu o direito de ampla defesa. A OAB entrou com recurso questionando a decisão.

A Defensoria Pública do Rio ingressou com ação sustentando que teremos um agravamento de um sistema seletivo que pune mais quem cometeu pequenos crimes.

Se já vemos injustiças e presenciamos falsificação de provas, com essas decisões a tendência é vermos ainda mais.

Opinião pública

Quando vamos procurar razões para decisões tão extremas, encontramos a explicação de que o STF curvou-se diante da opinião publica.

Que Suprema Corte é essa que se curva perante idéias retrógradas?

Deveria, acima de tudo, ser a guardiã da Constituição, e não interpretá-la como quer. E deveria também zelar contra tentativas de desvios autoritários.

Todo o poder emana do povo e em seu nome é exercido. O problema é quando o povo é manipulado de forma a perder direitos.

A falta de credibilidade das instituições corrói a rocha do Estado democrático de direito.

*Por Rodrigo Filho∴, escritor e ativista

You may also like
Comissão do Senado aprova descriminalização da maconha para uso medicinal
Alexandre de Moraes libera para julgamento processo sobre descriminalização da maconha
Justiça do RN autoriza cultivo de maconha por mãe e filha para tratamento de depressão
Novo ministro do STF decide adiar processos sobre maconha e aborto para 2019

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.