CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > ATIVISMO > Confira o novo relatório da Global Commission on Drugs

Confira o novo relatório da Global Commission on Drugs


Em se tratando de política de drogas, pelo menos uma coisa é certa entre tantas variáveis: proibir não resolve o problema e gera ainda mais danos. Essa é apenas uma das muitas constatações que surgem após ler o novo relatório da Global Commission on Drugs, lançado nesta terça-feira (9/9), durante uma coletiva de imprensa realizada no Museu de Arte Moderna (MOMA), em Nova York.

10670071_10204590517347460_6216606628503639822_n

Criada em 2011, a Global Commission on Drugs é encabeçada por 22 membros, entre ativistas e pensadores de diversos lugares do mundo, incluindo os ex-presidentes do Brasil (Fernando Henrique Cardoso), Chile, Colômbia, México, Portugal, Suíça e Polônia. O ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan, também integra a entidade, que se dedica a fomentar e redefinir o debate sobre política de drogas.

Intitulado “Sob controle: caminhos para políticas de drogas que funcionam”, o relatório inclui uma série de recomendações inovadoras, tais como:

– Colocar a saúde e a segurança da comunidade em primeiro lugar requer uma reorientação fundamental dos recursos e prioridades das políticas, da repressão punitiva fracassada em direção à intervenções sociais de eficácia comprovada. 

-Parar de criminalizar pessoas por porte e uso de drogas – e não impor “tratamento compulsório” a pessoas cuja única infração seja uso ou posse de drogas.

– Focar na redução do poder de organizações criminosas e da violência e insegurança resultantes de concorrência e conflitos entre estas e com o Estado. 

– Aproveitar a oportunidade apresentada pela próxima UNGASS em 2016 para reformar o regime global de política de drogas. 

– Garantir o acesso igualitário a medicamentos essenciais, em particular remédios para a dor baseados em ópio.  

– Aplicar alternativas ao encarceramento para atores não-violentos dos patamares inferiores do mercado ilícito de drogas, como agricultores, “mulas” e outros envolvidos na produção, transporte e comércio de drogas ilícitas.

– Permitir e incentivar experimentos diversos na regulamentação legal de mercados de drogas atualmente ilícitas, a começar por, mas não se restringindo a, maconha, folha de coca e determinadas novas substâncias psicoativas.

Para saber mais, confira abaixo o vídeo gravado durante o lançamento do relatório (em inglês) e clique aqui para ler a versão em português do documento na íntegra.

You may also like
Morre Dr. Lester Grinspoon, lendário defensor da legalização da cannabis
Drogas na Quarentena: site reúne informações sobre política de drogas em tempos de pandemia
Senado aprova retrocessos na política nacional de drogas
Projeto de Osmar Terra sobre drogas avança no Senado e pode ser votado amanhã

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.