Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
Enquanto no Brasil quem precisa de cannabis medicinal está completamente amarrado pelas exigência$ do burocrático – e custoso – processo de importação, no Canadá já tem até plano de saúde bancando os custos dos pacientes que necessitam da erva para tratar as mais variadas doenças.

Segundo notícia veiculada pelo jornal canadense The Stara empresa de seguros Sun Life é a primeira da América do Norte a cobrir os custos relativos ao consumo de maconha medicinal de seus membros.

A iniciativa pioneira tem ajudado pessoas como Jonathan Zaid, um estudante de 22 anos que sofre de uma doença rara que causa fortes dores de cabeça diárias. Após uma batalha judicial, Zaid conseguiu que seu plano de saúde custeasse o tratamento com cannabis no valor de US$ 3 mil, além de mais US$ 750 para a compra de um vaporizador.

canadá_planodesaúde

Embora o uso medicinal da maconha esteja legalizado no Canadá, a erva ainda não tem aprovação dos órgãos locais de vigilância sanitária, mas pode ser consumida pelos pacientes de todas as formas (flores, óleos, concentrados, etc) – ao contrário do Brasil, onde a permissão da Anvisa restringe-se ao óleo de cânhamo.

Atualmente, o Canadá tem um sistema de distribuição de cannabis medicinal comercialmente estruturado, mais ou menos nos moldes da Califórnia – onde é relativamente fácil conseguir uma receita médica e há uma crescente rede de dispensários.

Por mais incrível que possa parecer, no Brasil aconteceu um caso semelhante – mas ainda isolado. Segundo reportagem da Folha de São Paulo, em dezembro de 2014 uma operadora de saúde brasileira não identificada estava custeando o tratamento com canabidiol (cBD) para um paciente também não identificado.

*Fotos: Peter Power/The Toronto Star

 

 

Inscreva-se em nossa newsletter

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba novidades diretamente em seu e-mail

Você se inscreveu com sucesso