CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > SAÚDE > Estudo sugere que canabinoides podem atenuar os sintomas fatais do COVID-19

Estudo sugere que canabinoides podem atenuar os sintomas fatais do COVID-19


Estudo sugere que canabinoides podem atenuar os sintomas fatais da COVID-19

Pesquisadores canadenses sugerem que certas extrações de canabinoides podem ajudar a reprimir uma resposta do sistema imunológico ao COVID-19 que se mostrou fatal em alguns pacientes, segundo reportagem publicada no site Ganjapreneur.

O estudo foi publicado como uma pré-impressão, o que significa que ainda não foi revisado por outros cientistas.

Pesquisadores do Departamento de Ciências Biológicas da Universidade de Lethbridge, em parceria com a Pathway RX – empresa com o objetivo de desenvolver tratamentos com cannabis – sugerem que certas variedades da erva demonstram o potencial de reprimir o sistema imunológico em meio à tempestade de citocinas que ocorre em alguns pacientes com COVID-19 e leva à síndrome do desconforto respiratório.

O estudo consiste numa atualização das descobertas dos pesquisadores, publicadas em abril, que revelaram que os extratos de THC e CBD podem ajudar a impedir que o coronavírus se espalhe para infectar humanos.

Segundo a Dra. Olga Kovalchuk, autora dos dois estudos, a nova pesquisa “identificou três extratos que são muito, muito boas estirpes” e os pesquisadores no total “têm cinco estirpes nas quais poderíamos formular um ensaio clínico no momento”.

As cepas específicas identificadas pelos pesquisadores parecem controlar a resposta imune, trabalhando para evitar a tempestade de citocinas, mantendo algumas das moléculas necessárias para combater o vírus.

Kovalchuk diz que os extratos atuam através do sistema endocanabinoide, que regula muitas das respostas do corpo e possui receptores que se ligam aos canabinoides encontrados naturalmente na planta.

Em seu estudo inicial, os cientistas não consideraram os extratos de maconha como uma cura para o vírus, mas sugeriram que eles poderiam ser usados ​​como uma “terapia adjunta” no combate à disseminação do COVID-19.

A pesquisa atualizada sugere que os extratos de cannabis podem ser utilizados terapeuticamente em pacientes que sofrem da síndrome do desconforto respiratório relacionado ao coronavírus.

O novo estudo está passando por uma revisão por pares, mas está disponível como uma pré-impressão na Research Square.

A equipe indicou que o próximo passo para o estudo é um ensaio clínico. Os pesquisadores disseram que estão buscando parcerias e apoio para realizar um estudo de controle randomizado adequado para verificar se a adição desses extratos diminui a gravidade da pneumonia por COVID-19 e a tempestade de citocinas.

Na semana passada, a FSD Pharma, sediada na Filadélfia, na Pensilvânia, recebeu permissão da Food and Drug Administration para enviar um pedido investigativo de novos medicamentos para um ensaio clínico usando um medicamento à base de canabinoide sintético chamado palmitoiletilamida ultramicronizada (micro PEA) para tratar a COVID-19.

O co-presidente executivo e CEO da FSD, Raza Bokhari, disse que o canabinoide pode mitigar a tempestade de citocinas. Atualmente, o FSD está conduzindo um ensaio clínico de Fase 1 na Austrália.

*Junte-se à roda do Maryjuana no Telegram.

O conteúdo deste site foi criado por mentes turbinadas com café (Mary4:20)! 

You may also like
ONG oferece maconha a quem se vacinar contra a Covid-19 nos EUA
Anvisa nega pedido da Unicamp para pesquisa com cultivo de maconha
Anvisa autoriza patente de goma de mascar de maconha contra dor crônica
ONU retira maconha de lista de drogas mais perigosas; Brasil vota contra

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.