CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > SAÚDE > Uso de cannabis durante a gravidez não afeta o desenvolvimento cognitivo dos bebês

Uso de cannabis durante a gravidez não afeta o desenvolvimento cognitivo dos bebês


Cientistas temem que estudos anteriores tenham criado uma simplificação excessiva entre a exposição pré-natal à cannabis e o comprometimento cognitivo dos bebês.

Qual será a verdadeira relação entre gravidez e uso de maconha? E quais os reais riscos que o consumo pré-natal de cannabis pode causar aos bebês?

Embora existam muitos estudos que vinculam o uso da erva – especificamente o THC – durante a gravidez a problemas no desenvolvimento infantil, alguns pesquisadores apontam que muitas dessas pesquisas não diferenciam entre fumar maconha e outras formas de consumo, como comestíveis ou tinturas, de acordo com reportagem do site Benzinga.

Riscos do uso de cannabis durante a gravidez

Dúvida muito comum entre as gestantes canabistas, qual seria então o risco que a exposição pré-natal à maconha apresenta no desenvolvimento cerebral de uma criança?

Dispostos a elucidar tal questão, cientistas da Universidade de Columbia, Universidade de Swinburne e do Instituto Psiquiátrico do Estado de Nova York analisaram vários estudos sobre o tema por seis anos.

De acordo com o levantamento, publicado em maio na revista Frontiers in Psychology, os riscos associados ao uso de cannabis na gravidez foram exagerados na forma como isso afeta os bebês.

“A revisão atual da literatura descobriu que há relativamente poucas alterações cognitivas observadas em crianças expostas à maconha no período pré-natal”, escreveram os autores do estudo.

A revisão sistemática não encontrou muita diferença significativa entre crianças com exposição pré-natal à cannabis e aquelas que não a tiveram.

Mais especificamente, menos de 5% dos estudos comparáveis ​​mostraram essas diferenças. O mais surpreendente é que esses estudos mediram aumentos e diminuições nas pontuações das crianças nos testes cognitivos, sugerindo mais variação do que se acreditava anteriormente.

Um estudo importante, em particular, recebeu atenção especial, pois descobriu que crianças expostas no pré-natal à maconha tinham pontuações de teste que estavam fora do intervalo normal para o funcionamento cognitivo. Mas, lançada em 2008, esta pesquisa foi criticada por não levar em conta fatores sociodemográficos externos, como habilidades cognitivas dos pais, níveis de pobreza e ambiente doméstico.

Simplificação excessiva

Os pesquisadores temem que ocorra uma simplificação excessiva entre a exposição pré-natal à cannabis e o comprometimento cognitivo.

A mídia e os legisladores frequentemente usam os resultados de um estudo negativo para resumir todas as relações entre maconha e gravidez, observaram os pesquisadores. Isso pode levar a políticas duras que podem, até mesmo, separar as crianças de suas famílias, o que pode ter consequências piores.

“A lógica para tais políticas é, em parte, que a exposição pré-natal à cannabis causa efeitos deletérios persistentes, especialmente no funcionamento cognitivo”, escreveram os pesquisadores. “As conclusões desta revisão sugerem que essa suposição deve ser reavaliada para garantir que nossas suposições não causem mais danos do que a própria droga”.

Clique aqui para saber mais sobre as relações entre gravidez e uso de cannabis.

*Junte-se à roda do Maryjuana no Telegram e tenha acesso a conteúdos exclusivos!

You may also like
CBD auxilia usuários que desejam abandonar consumo de maconha
USP tem a maior produção científica mundial sobre canabidiol
Estudo: cannabis se mostra promissora no tratamento da covid-19
Estados com cannabis legal registram menos problemas relacionados ao vaping nos EUA

1 Response

  1. kotele

    minha cunhada fumou praticamente todos os dias durante a gravidez e o filhinho dela não possui absolutamente nenhum problema o.o

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.