CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > ATIVISMO > Movimento pela liberação da maconha cresce no Chile

Movimento pela liberação da maconha cresce no Chile


O movimento Cultive seu Direito voltou a ocupar as ruas de Santiago do Chile, no sábado (5/5), para reivindicar a ampla liberação do uso da maconha.

As cores verde, amarela e vermelha, identificadoras do movimento rastafári mundial, e o cheiro próprio do consumo da planta em cigarros deram o tom da celebração pacífica.

A principal avenida de Santiago recebeu os adeptos do consumo da planta, que passou a ser combatida com mais intensidade na América Latina a partir de uma política punitiva adotada pelos Estados Unidos.

Receita médica

O fim da proibição do consumo no Chile segue a mesma proposta vitoriosa no Uruguai, onde o tráfico foi desarticulado depois de o Estado tomar para si a responsabilidade de organizar o consumo restrito da planta por parte de seus fãs.

“Pela saúde, pela dignidade e pela liberdade”, dizia um dos cartazes levados pelas organizações sociais que promovem a legalização total da planta, em um país onde o consumo privado da maconha já é permitido, mas sua venda, não. O reggae é o gênero musical preferido dos manifestantes.

Uma leve cortina de fumaça ergueu-se diante do palácio La Moneda, sede do governo, famoso mundialmente como símbolo da democracia, desde seu bombardeio pelas forças golpistas chilenas em 19 de setembro de 1973, quando suicidou-se ali o presidente eleito Salvador Allende.

Ao longo do trajeto, os manifestantes assinaram um documento para ser entregue aos representantes do governo. Os ‘maconheiros’ chilenos justificam o pedido do fim da política restritiva com os direitos ao uso medicinal e recreativo da planta utilizada desde antes da colonização espanhola.

O governo chileno anunciou o plantio e a colheita de sete mil pés de maconha destinados à elaboração de um fitoterápico para patologias associadas ao câncer e à epilepsia, entre outras afecções. Os efeitos tranquilizante e de estimulante do apetite são próprios da maconha, atestam os cientistas.

Em 2015, um decreto do governo de Bachelet já permite o uso da maconha, da resina de maconha, de extratos e de tinturas para a elaboração de produtos farmacêuticos para serem adquiridos em farmácias mediante receita médica.

Oferta e demanda

Os entusiasmados militantes pró-maconha chilenos amparam-se nos números divulgados pelo governo uruguaio para ter direito às razões que defendem.

Quatro anos depois de entrar em vigor a lei da maconha, o Uruguai comemora uma redução de até 40% nos crimes relacionados ao narcotráfico.

No Uruguai, é liberado cultivar até seis pés de maconha, participar de clubes de fumantes de 15 a 45 membros ou adquirir o produto em farmácias do governo.

Nos primeiros meses de implantação da lei, as longas filas formadas diante das farmácias chegaram a ameaçar o sucesso da proposta, mas o aumento da produção equilibrou a relação entre oferta e demanda. Todos os usuários uruguaios são cadastrados pelo Estado, que, assim, mantém mais fácil e transparente o controle e o monitoramento do consumo. Com esta medida, os traficantes, que viviam dos efeitos da clandestinidade, enfrentam uma queda no seu poderio.

*Fonte: AFP

You may also like
43 cartazes para refletir sobre as propriedades terapêuticas da maconha
Projeto de lei de Paulo Teixeira propõe regulamentação da cannabis no Brasil
Futura ministra de Obrador propõe descriminalização da maconha no México
Erva-mate com maconha chega aos supermercados uruguaios nesta semana

Leave a Reply