Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > ATIVISMO > ARTIGOS > O que deu errado com a legalização no Uruguai?

O que deu errado com a legalização no Uruguai?


Espalhe a boa !
  • 1.2K
    Shares
De 1920 a 1933 era proibido vender e comprar bebidas alcoólicas nos Estados Unidos graças à chamada Lei Seca. Não é exagero dizer que, caso apenas o governo fosse autorizado a vender álcool após o fim a proibição, o mercado negro de uísque estaria vivo até os dias de hoje.

Em dezembro de 2013 o Congresso uruguaio aprovou um projeto de lei, apresentado pelo governo, estabelecendo a regulamentação plena da Cannabis no país.

Um dos objetivos principais da iniciativa, segundo o ex-presidente Pepe Mujica, seria tirar o poder do narcotráfico.

Passados mais de três anos após a legalização da cannabis, entretanto, o Uruguai ainda enfrenta problemas estruturais neste percurso: muitas dificuldades logísticas foram encontradas e, em um panorama geral, a legalização não foi capaz de diminuir o tráfico.

Mas esta constatação não significa que a legalização da maconha falhou como uma ferramenta na luta contra a criminalidade. Assumir este fato significa apenas que o modelo de legalização precisa ser repensado.

Estado centralizador

A lei aprovada no Uruguai centraliza no Estado todos os níveis da legalização: a pesquisa, o controle e a regulação da importação, produção, aquisição, armazenamento, comercialização e distribuição da maconha e seus derivados.

Mas o Estado, sozinho, não é capaz de gerenciar, custear e garantir o pleno processo de legalização. Acreditar que ele poderia concentrar com sucesso todas essas tarefas é, no mínimo, ingênuo.

Por mais que o uso de substâncias seja uma questão de saúde pública, o governo deve reconhecer que a legalização da maconha deve ser vista com uma certa ótica de mercado. E o problema dos uruguaios é negar a liberdade econômica deste processo.

Em primeiro lugar, o Estado jamais conseguiria concorrer com os preços oferecidos pelo tráfico. E, mesmo que conseguisse, seria quase impossível chegar a todos os lugares em que o tráfico já chegou. Uma prova disso é a dificuldade que o governo está encontrando para conseguir iniciar a venda de maconha nas farmácias do país.

Em segundo lugar, a intervenção pesada do Estado prejudica as iniciativas privadas que poderiam ser suas aliadas no combate ao narcotráfico.

Ao invés de gerar incentivos financeiros e fiscais para que empresários integrem as forças legais de produção, venda e distribuição de maconha, o governo mantém os impostos elevados e uma burocracia completamente desanimadora.

Vale ainda lembrar que os preços de painéis de LED, exaustores, fertilizantes e outros produtos usados no cultivo doméstico da Cannabis no Uruguai são extremamente caros devido a quantidade de imposto de importação. O governo não percebe que isso dificulta o autocultivo e, portanto, prejudica o próprio processo de luta contra o tráfico.

Desperdício & burocracia

Essas políticas centralizadoras e até certo ponto autoritárias fazem com que a legalização da maconha no Uruguai se distancie cada vez mais de seus objetivos. Sem enxergar a questão canábica como um mercado em potencial, o governo acaba desperdiçando investimentos, recursos e oportunidades.

As atividades científicas continuam afogadas em burocracia. Os institutos autônomos de pesquisa medicinal sofrem com a imposição do Estado. As empresas interessadas em oferecer alternativas para os consumidores encontram dificuldades de iniciar e manter seus negócios e, acima de tudo, os usuários acabam prejudicados.

Outros caminhos

A alternativa é um modelo de legalização em que o Estado tenha responsabilidades regulatórias e, ao mesmo tempo, possa transferir boa parte do processo de pesquisa, produção, importação, distribuição e venda para a iniciativa privada.

O tráfico só pode ser vencido por uma aliança entre o Estado e o mercado.

*Por Jonas França, ativista e estudante de Ciência Política da Universidade de Brasília

You may also like
Chipre legaliza uso terapêutico da maconha
Argentina aposta na produção estatal de maconha para uso terapêutico
Uruguai já soma 7 mil cultivadores de maconha registrados
Algoritmo português prevê quais os próximos países a legalizar a maconha

Leave a Reply