CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > ATIVISMO > ARTIGOS > O que é a crise de opióides e como a maconha pode ajudar

O que é a crise de opióides e como a maconha pode ajudar


A crise de opióides é o fenômeno do rápido aumento no uso de medicamentos opióides que hoje atinge principalmente os Estados Unidos.

A crise teve início no final dos anos 90 e atualmente alcança níveis alarmantes. Em outubro de 2017, o presidente americano Donald Trump chegou a declarar “emergência de saúde pública”. Recentemente, pesquisadores e autoridades americanas perceberam que podem contar com uma ajuda inusitada para o controle desta crise: a legalização do uso medicinal da maconha.

Os opióides são uma classe de substâncias com forte ação analgésica (aliviam a dor), que inclui a oxicodona (OxyContin®️ e Percocet®️), hidrocodona (Vicodin®️, o remédio do Dr. House), fentanil, morfina e a heroína. Alto risco de dependência e overdose estão associados aos opióides e, por serem substâncias psicotrópicas, também são utilizados como drogas recreativas.

Engana-se quem acha que o pivô desta crise é o comércio ilegal. Em 2016, quase metade de todas as mortes por overdose nos Estados Unidos envolveu opióides prescritos, isto é, que foram receitados por médicos. E este pode ser o principal fator que alimenta a crise. A prescrição de opióides aumentou de 148 milhões em 2005 para 206 milhões em 2011. Ao mesmo tempo, os casos de overdose fatal também aumentaram: de 15 mil mortes em 2005 para 33 mil em 2015.

Mortes por overdose envolvendo opióides nos Estados Unidos entre 2000 e 2015 (Fonte: Data Overview. Drug Overdose. CDC Injury Center, Centers for Disease Control and Prevention 2016).

Enquanto isso, uma opção política que – não intencionalmente – está contribuindo no combate à crise de opióides é o processo de legalização do uso medicinal da maconha, planta muito utilizada para o tratamento de dores. Desde 1996, quando a Califórnia aprovou a primeira lei, 29 estados americanos já implementaram alguma legislação que permite o uso medicinal da planta.

Diversos estudos já evidenciaram a eficácia da maconha em tratar diferentes tipos de dor (veja mais em: 1, 2, 3, 4), o que permitiria a aplicação da planta em conjunto, ou até mesmo em substituição, a outros analgésicos, o que poderia diminuir a utilização de opióides. Além disso, a maconha é uma opção mais segura, não causa depressão respiratória como os opióides e não há registros de overdose fatal até o momento.

Recentemente, pesquisadores americanos compararam, entre os anos de 2010 e 2015, o número de prescrições de medicamentos opióides em estados americanos com e sem a maconha medicinal legalizada. Eles observaram que nos estados onde é possível utilizar a maconha medicinalmente há redução de mais de 2 milhões de doses de opióides, valor 8,5% menor em comparação aos estados sem maconha medicinal.

Já a indústria farmacêutica, é claro, não ficou parada quando este potencial da maconha começou a ficar mais evidente. Em 2016, a farmacêutica Insys Therapeutics doou 500 mil dólares ao grupo de oposição à legalização da maconha medicinal no estado do Arizona. A Insys é a responsável pela produção do medicamento Subsys®️, cujo princípio ativo é o fentanil, um dos opióides mais potentes e perigosos. Apesar da pressão exercida, a maconha medicinal foi posteriormente legalizada no Arizona.

Mas a indústria farmacêutica nunca perde e como diz o ditado: “se não pode vencê-los, junte-se a eles”. Em 2017, a Insys Therapeutics lançou um medicamento à base de Δ9-THC sintético e atualmente desenvolve dois medicamentos para overdose e dependência de opióides. Estas ações agressivas por parte das farmacêuticas ficam mais claras quando alguns números vêm à tona: estima-se que o tamanho do mercado de opióides alcance 35 bilhões de dólares em 2025.

*Por Lia Esumi: Bióloga, MS/PhD em Psicobiologia e colaboradora no Maryjuana.

You may also like
Drogas na Quarentena: site reúne informações sobre política de drogas em tempos de pandemia
Estados com cannabis legal registram menos problemas relacionados ao vaping nos EUA
Pesquisadores canadenses acreditam que maconha pode bloquear coronavírus
FDA admite que vaporizar não aumenta risco para covid-19

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.