Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > NOTÍCIAS > BRASIL > Justiça do RN autoriza cultivo de maconha por mãe e filha para tratamento de depressão

Justiça do RN autoriza cultivo de maconha por mãe e filha para tratamento de depressão


Espalhe a boa !
  • 18
    Shares
A Justiça Federal do Rio Grande do Norte (RN) liberou que uma mulher cultive maconha para o tratamento de depressão. A decisão, que foi publicada nesta quinta-feira (1/11) e é pioneira no país, é do juiz Mário Jambo e impede que a Polícia faça a prisão caso ela seja flagrada com as mudas. 

No pedido feito pela mãe, de 59 anos de idade, ela apresentou laudos médicos confirmando o diagnóstico das doenças de depressão e síndrome do pânico, assim como a receita de controle especial prescrevendo o extrato híbrido feito a partir de cannabis. Além disso, a mulher também juntou uma declaração da UFRN sobre a possibilidade de uso de seus laboratórios para parametrização do medicamento produzido para a paciente, assim como a declaração do diretor do Instituto do Cérebro da UFRN, Sidarta Ribeiro, sobre os benefícios da Cannabis.

A ação foi impetrada pelos advogados Gabriel Bulhões e Ubaldo de Araújo Silva. O objetivo da mulher era evitar que agentes policiais impeçam que ela  transporte ou cultive a planta, assim como impedir a apreensão de mudas das plantas utilizadas no tratamento.

“O primeiro aspecto a ser considerado é que o salvo conduto é solicitado para evitar eventual prisão pelo cultivo de plantas de Cannabis Sativa para fins terapêuticos. Veja-se, não se está pedindo autorização para o cultivo de substância entorpecente para fins recreativos. É para o tratamento de uma moléstia, conforme receitado pelo seu médico particular”, explicou Mário Jambo em sua decisão.

Argumentando que tem sido recorrente no Brasil e no exterior a prescrição de tratamento com base no extrato da maconha, o magistrado também lembra que o tratamento repressor sobre o uso da cannabis em tratamentos médicos tem sido revisto no exterior.

“Note-se que o tratamento essencialmente repressor dado à questão em nosso país por inspiração da política antidrogas norte-americana, é hoje seriamente questionada e revista até pelos síndrome do pânico no seu âmbito interno, tanto que vários Estados americanos já legalizaram o uso da Cannabis para fins medicinais, especialmente para pacientes com parkinson, câncer, glaucoma, epilepsia e até insônia ou dores nas costas”, disse o juiz, que completou. “Se não é crime o uso recreativo, muito menos pode ser considerado o uso terapêutico, especialmente quando corresponde a tratamento que é reconhecido cientificamente pela sua eficiência”.

Na decisão, o magistrado concedeu o salvo-conduto a mãe, determinando que a Polícia se abstenha de adotar qualquer medida voltada a cercear a liberdade de locomoção, por ocasião da importação de sementes, produção e cultivo da Cannabis Sativa e Cannabis Indica, com fins exclusivamente medicinais, suficientes para cultivo de seis plantas. Ainda na decisão, o juiz também liberou o transporte da cannabis e o Instituto do Cérebro da UFRN, onde ocorrem os testes laboratoriais.

*Fonte: Tribuna do Norte

Que tal turbinar a sua mente?

O conteúdo deste site foi criado por mentes turbinadas com café (Mary4:20)! 

SAIBA MAIS

 

You may also like
Assine já: Ideia Legislativa propõe a definição de padrão para diferenciar usuário de traficante
Relatório sobre uso medicinal da maconha será votado quinta no Senado
Nova York arquiva 150 mil processos sobre posse ou consumo de maconha
Estudo de Harvard revela novos compostos anti-cancerígenos na maconha

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.