Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > NOTÍCIAS > NEGÓCIOS > Fabricante do Marlboro entra no mercado da maconha

Fabricante do Marlboro entra no mercado da maconha


Espalhe a boa !
  • 276
    Shares
Grupo norte-americano Altria compra 45% das ações do produtor canadense Cronos para tentar se expandir além do tabaco.

A indústria do tabaco começa a apostar no florescente mercado da maconha. O grupo Altria, que entre suas marcas mais populares controla os cigarros Marlboro, começa a ocupar o terreno ao comprar ações da canadense Cronos, fabricante legal de maconha. A manobra procura abrir caminho para outras áreas além do cigarro tradicional, cujas vendas estão se desacelerando.

A Altria desembolsou 1,8 bilhão de dólares (sete bilhões de reais) para assumir 45% das ações da Cronos. É uma quantia pequena em comparação aos 25,6 bilhões de dólares que o conglomerado norte-americano faturou em escala global no ano passado. Mas a manobra poderia servir para marcar o começo de uma nova indústria à medida que o consumo da cannabis seja regulamentado.

A empresa tem um dilema. Atualmente controla 45% das vendas de cigarros nos EUA. O negócio é muito rentável: gera um lucro operacional de 8,4 bilhões de dólares por ano. Mas, ao mesmo tempo, a Altria precisa pensar no futuro e, para isso, controlar o produto fadado a substituir o tabaco parece uma boa opção, e ela tem recursos mais do que suficientes para sondar novas águas e assumir riscos.

A empresa matriz da Philip Morris levará à Cronos sua experiência de comercialização do tabaco, um fator que pode ser importante quando, num futuro não tão longínquo, a comercialização da maconha começar a ser padronizada em escala global. A Altria se reserva, além disso, a opção de continuar elevando seu investimento até assumir o controle de sua sócia se considerar oportuno. A Canopy Growth, rival da Cronos, já recebeu uma injeção de quatro bilhões de dólares da Constellation Brands, dona da cervejaria Corona.

Mas o futuro do negócio dependerá, em grande medida, do tempo que os EUA levarão para abrandar as regras em nível federal. O mercado da maconha é atualmente estimado em seis bilhões de dólares, com a previsão de chegar aos 10 bilhões nos próximos anos, à medida que mais Estados do país aprovam seu consumo para fins medicinais e recreativos. Todas essas manobras alimentaram o entusiasmo entre os investidores.

O Canadá autorizou há dois meses o consumo recreativo da cannabis. Howard Willard, executivo-chefe da Altria, observa que o investimento na Cronos “representa uma nova e estimulante oportunidade de crescimento” para a companhia, porque lhe permite se posicionar desde o começo em um “setor global emergente”, que crescerá “rapidamente durante a próxima década”.

Perda de brilho nas Bolsas e diversificação

A Altria busca, paralelamente, uma diversificação urgente na sua carteira, indo além dos produtos tradicionais à base de tabaco, com uma forte aposta no cigarro eletrônico. Há semanas especula-se que a empresa estaria negociando a aquisição de uma participação na Juul Labs, líder no setor dos cigarros eletrônicos, que está hoje sob forte pressão nos EUA por seu elevado consumo entre adolescentes.

As ações da Altria perderam um quarto de seu valor no último ano. Depois do anúncio da sexta-feira, entretanto, recuperaram 2%, enquanto as da Cronos tiveram alta de mais de 30% em uma só sessão. “É o sócio ideal”, afirma Mike Gorenstein, seu executivo-chefe, “porque nos dá os recursos e a experiência de que necessitamos para poder acelerar de forma significativa nossa estratégia de crescimento”.

Há, entretanto, um aspecto na operação que pode se chocar com o consumidor de maconha. A Altria é uma das corporações mais odiadas, porque o produto que vende tem graves consequências para a saúde, derivados da combustão do tabaco. A Cronos, por sua vez, concentra grande parte de seus ativos no negócio da maconha medicinal. Resta ver como essa aliança irá alterar a percepção social sobre a marca.

A injeção de liquidez que a Altria oferece lhe permitirá não só reforçar sua infraestrutura de distribuição, aproveitando a escala global do conglomerado. Também lhe abrirá o caminho para desenvolver novas marcas e produtos. Além da Canopy, a Cronos tem outros concorrentes: Tilray, Aphria e Aurora – na qual, especulou-se, a Coca-Cola poderia estar interessada. A Lagunita, uma marca de cerveja controlada pela Heineken, está vendendo água com infusão de cannabis na Califórnia, onde a droga é legal, e a filial Molson Coors tem uma empresa conjunta com a The Hydropothecary para comercializar bebidas desse tipo no mercado canadense. Trata-se de um mercado com muito futuro, sem dúvida, mas também muito concorrido.

*Fonte: El País

Que tal turbinar a sua mente?

O conteúdo deste site foi criado por mentes turbinadas com café (Mary4:20)! 
SAIBA MAIS

You may also like
Vaporizar reduz o consumo de substâncias cancerígenas em 64% em apenas duas semanas
Com mercado aquecido, empresas de maconha do Canadá importam trabalhadores
Empresa de carros blindados entra no mercado da maconha
Gas Cannabis Co: Rapper 2 Chainz lança marca de maconha

Leave a Reply