CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > NOTÍCIAS > NEGÓCIOS > Ex-astro da NBA investe R$ 476 milhões em empreendedores negros da indústria canábica

Ex-astro da NBA investe R$ 476 milhões em empreendedores negros da indústria canábica

Al Harrington está trabalhando para mudar o jogo em uma indústria de R$ 119 bilhões onde apenas 2% dos empresários são negros.

No final da década de 1980, quando  tinha nove anos, ser procurado por drogas pela polícia em Orange, Nova Jersey, era rotina. Na maioria das tardes de escola, depois que Harrington e seus amigos jogavam bola, eles ficavam do lado de fora da bodega na esquina da Tremont Avenue com a Scotland Road. “O tempo todo, a polícia parava, três ou quatro carros, e eles saltavam, com as armas nas mãos: ‘Todo mundo contra a parede’”, lembra Harrington, de 42 anos. “Era assustador – não saber se eles iam prender você.”

Três décadas depois, em uma tarde ensolarada da Califórnia em abril, o ex-astro da NBA, que mede 1,90m e está usando um par novo de Nike Air Jordan 1, tamanho 49, está muito longe da paisagem urbana onde foi criado. Enquanto está sentado em um hangar privado no aeroporto de Santa Monica, onde Harrison Ford costumava guardar seus aviões, Harrington fala sobre sua jornada de jogar 16 temporadas na NBA para se tornar um dos poucos CEOs negros na indústria legítima de cannabis.

Em 2012, quando a carreira de Harrington no basquete estava chegando ao fim – ele era um poderoso atacante do Indiana Pacers, New York Knicks e Denver Nuggets, que ganhou quase US $ 100 milhões (R$ 476,44 na cotação de 22 de abril) ao longo de sua carreira – ele cofundou a Viola, uma companhia de cannabis em Los Angeles com o nome de sua avó.

A Viola cultiva, processa e vende todos os tipos de produtos de maconha, de flores a concentrados e a baseados prontos. Harrington agora tem operações na Califórnia, Colorado, Michigan, Oklahoma, Oregon e Washington, e gerou cerca de US$ 20 milhões (R$ 95,34 milhões) em receita no ano passado. Em 2021, Allen Iverson , que está no Hall da Fama da NBA, entrou na empresa e a Viola lançou a linha de produtos de maconha “Iverson Collection”.

Assim como chegar à NBA é o mais longo dos tiros no escuro, Harrington é uma raridade no mundo da cannabis. Em uma indústria que gerou US$ 25 bilhões (R$ 120 bilhões) em vendas legais no ano passado, apenas 2% das empresas são de propriedade de negros.

“Isso é um problema”, diz Harrington, que parou no aeroporto em um Rolls-Royce Cullinan branco usando um relógio Rolex President e uma corrente de ouro com o busto de sua avó no pescoço. “Como pode [o policiamento] dessa droga ter feito tanto mal em nossas comunidades”, ele pergunta, “e agora é uma indústria multibilionária e não apenas não estamos em condições de participar, mas ainda estamos presos por causa disso?”

Em janeiro, a Viola levantou US$ 13 milhões (R$ 62 milhões) de investidores para expandir para Illinois, Maryland, Nova Jersey e Pensilvânia. A empresa também planeja abrir dois dispensários e um local de cultivo em St. Louis ainda este ano.

Ele já assinou um acordo de licenciamento para levar a marca para o Canadá no ano passado. No total, a Viola arrecadou US$ 34 milhões (R$ 162 milhões) e está avaliada em mais de US$ 100 milhões (R$ 476,7 milhões). Harrington investiu US$ 6 milhões (R$ 28,6 milhões) e tem cerca de 40% da empresa. Outros investidores incluem alguns de “seus parças” da NBA, incluindo Ben Gordon, JR Smith, Kenyon Martin, Josh Childress e DeMarcus Cousins.

Muito além dos negócios

Mas vender maconha é apenas parte da missão de Viola. O principal objetivo de Harrington é ajudar os empresários negros e pardos da indústria da cannabis a construir patrimônio em uma das economias de crescimento mais rápido da América.

Hoje, a cannabis é legal de alguma forma em 37 estados. Até 2030, a indústria deverá gerar US$ 65 bilhões (R$ 309,85 bilhões) em vendas anuais, um aumento de 160% em pouco menos de uma década.

“As oportunidades em nossas comunidades precisam ser nossas – ponto final”, diz Harrington.

Através da Viola, Harrington está tentando corrigir alguns dos erros causados ​​pela guerra às drogas nos Estados Unidos, um empresário de cada vez. Como uma Y Combinator de um homem só para cannabis, ele está com um plano para criar 100 milionários negros de cannabis.

Um milhão de dólares pode parecer pouco, mas no contexto dessa indústria, especialmente para proprietários de pequenas empresas, é muito dinheiro. Harrington já ajudou a cunhar um punhado.

A Viola lançou seu programa de incubadoras há dois anos. Desde então, a empresa investiu cerca de US$ 700 mil (R$ 3,4 milhões) em quatro empresas, incluindo a Mezz, uma empresa de vape e pre-roll no Colorado, e a Butter Baby, com sede em Los Angeles, que fabrica manteiga com infusão de THC para usar em coisas como brownies. Harrington recebe uma participação de 10% a 25% em troca de ajuda com marketing e captação de recursos. Ele não investe em ideias, mas compra em empresas que já estão em funcionamento.

*Fonte: Forbes

**Foto: Depo

**Junte-se à roda do Maryjuana no Telegram.
You may also like
Califórnia está cultivando mais maconha legal do que consegue vender
Estudo: 15% dos trabalhadores usam maconha no home office
New Orleans aprova medidas para descriminalizar o uso de maconha
Hotel boutique nos EUA oferece hospedagens para canabistas

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.