CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > CANAL DA MARY > OPINIÃO > Cannabis medicinal no México: um bom negócio para quem?

Cannabis medicinal no México: um bom negócio para quem?

/

O México está emergindo como uma das maiores potências da cannabis legal no mundo. As promessas de negócio do chamado “ouro verde” estão estampadas em manchetes de todo o mundo, enquanto toneladas de maconha ilegal são colhidas todos os dias nas montanhas do país.

Após 3 longos anos de espera, o Ministério da Saúde do México finalmente publicou o regulamento para a produção, pesquisa e uso medicinal da cannabis, um passo transcendente para um país que desde 2017 esperava por este regulamento fazer a sua tão esperada estreia no mercado legal da erva.

Apesar da mobilização da sociedade civil – incluindo uma quantidade absurda de fóruns e depoimentos de pacientes e profissionais de saúde ao redor do mundo – o governo mexicano optou por uma lei que favorece as empresas farmacêuticas estrangeiras, fazendo pouco caso das necessidade urgentes dos cidadãos e ativistas que reivindicam o direito ao cultivo caseiro e a produção nacional.

O novo regulamento, assinado pelo presidente Andrés Manuel López Obrador e publicado no Diário Oficial da Federação, permitirá que as empresas farmacêuticas comecem a realizar pesquisas médicas sobre os produtos derivados da maconha.

Entre outras finalidades, a lei estipula a “fabricação de medicamentos e derivados farmacológicos e médicos para a realização de diagnósticos, preventivos, terapêuticos, de reabilitação e cuidados paliativos”, conforme publicado.

O que a nova lei permite?

A nova lei autoriza o uso terapêutico dos derivados farmacológicos da maconha e habilita o Ministério da Saúde mexicano a formular e executar políticas públicas que regulamentem a pesquisa científica e a produção nacional.

Além disso, regula o tetrahidrocanabinol ou THC (em concentrações inferiores a 1%) como um narcótico com ampla utilização terapêutica que constitui um problema menor para a saúde pública, e permite a comercialização, exportação e importação de produtos derivados da cannabis para uso industrial (também em concentrações inferiores a 1%).

Cannabis legal para quem?

É importante mencionar que as novas disposições ainda NÃO permitem o uso recreativo ou adulto de maconha, o cultivo de cannabis para fins médicos e científicos por indivíduos ou instituições não autorizadas, o acesso a drogas derivadas de cannabis sem receita e autorização prévia, ou porte de maconha fora dos limites estabelecidos em lei desde 2009 (5 gramas).

No entanto, os avanços alcançados não são menores, pois conseguiu romper com a dinâmica perniciosa de perpetuar um falso debate em que o único objetivo era beneficiar o status quo.

Assim, embora o México tenha dado um passo à frente na legalização da cannabis medicinal, o fez com uma lei elitista que perpetua a dinâmica colonizadora e extrativista que já conhecemos muito bem deste lado do muro.

Enquanto isso, as comunidades indígenas – que historicamente produzem maconha no país – continuam sem a oportunidade de participar do negócio do ouro verde, enquanto mulheres seguem agindo como mulas, jovens sendo sistematicamente extorquidos pela polícia por fumarem um baseado e pacientes que não têm dinheiro para pagar a visita de um médico e a importação de seu remédio.

E quanto a nós, ativistas, pacientes, cultivadores e usuários de cannabis?

Nós – ativistas mexicanos que lutamos pela humanização das políticas de drogas – ainda temos um longo caminho a percorrer.

É hora de avançar com a viabilização de fontes alternativas de abastecimento, como o cultivo caseiro ou a produção por meio de licenças e com a descriminalização urgente do plantio, cultivo, colheita e consumo de cannabis.

Resumindo, é preciso regulamentar. Porque apesar do avanço legislativo, o que foi aprovado no Senado e na Câmara dos Deputados ainda não devolveu a constitucionalidade à lei.

O que fazer? Continuar lutando, para que a lei que regulamentará a maconha para fins “recreativos” amplie as possibilidades de acesso que esta nova lei não contempla.

*Por Polita Pepper, mexicana, ativista canábica, co-fundadora da Associação Civil CANNATIVA A.C e faz parte da  Rede Latino-Americana de Mulheres Canábicas. Atualmente está fazendo doutorado em Antropologia Social sobre a produção de cannabis em comunidades indígenas. Mestre em Antropologia Social pelo Centro de Pesquisa e Estudos em Antropologia Social (CIESAS)

*Junte-se à roda do Maryjuana no Telegram e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
You may also like
Colômbia autoriza uso industrial da maconha e sua exportação com fins terapêuticos
Suprema Corte do México descriminaliza uso recreativo de maconha
Ministro Barroso divulga vídeo com defesa de descriminalização da maconha
Nova York aprova projeto de legalização da maconha

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.