Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CONTEÚDO JORNALISTÍCO PARA MAIORES DE 18 ANOS
Home > NOTÍCIAS > BRASIL > Mercado canábico no Brasil movimenta R$ 9,6 bilhões ao ano

Mercado canábico no Brasil movimenta R$ 9,6 bilhões ao ano


Espalhe a boa !
O mercado de cannabis no Brasil, legal ou ilícito, chega a US$ 2,4 bilhões (cerca de R$ 9,6 bilhões), revela um estudo realizado pela consultoria americana New Frontier Data e divulgado nesta terça-feira (21).

O levantamento, que também engloba outros países da América Latina, foi encomendado pela The Green Hub,  empresa brasileira focada em iniciativas no mercado de cannabis medicinal.

Após o Brasil, que é o maior consumidor desta pesquisa, estão o México (US$ 1,9 bilhão), o Chile (US$ 1,5 bilhão), a Argentina (US$ 1,1 bilhão) e a Colômbia (US$ 0,7 bilhão).

Os países latino-americanos incluídos no relatório contabilizam uma população de 600 milhões de habitantes, dos quais 13 milhões consomem cannabis no mínimo uma vez por ano.

Mercado

O relatório oferece uma apresentação dos mercados, tendências e atividades relacionadas ao consumo de cannabis na América Latina, incluindo uma análise detalhada das oportunidades e desafios da região à medida que seus países exploram as reformas e políticas em torno do tema.

“À medida que a comunidade internacional dedica cada vez mais atenção a uma reforma das leis de consumo de cannabis e se envolve com o setor da cannabis legalizada, surge uma miríade de oportunidades em lugares onde há pouco tempo essa atividade parecia inimaginável”, disse Giadha Aguirre de Carcer, fundadora e diretora executiva da New Frontier Data.

Para Marcel Grecco, fundador e CEO da The Green Hub, em uma época na qual o mercado de cannabis atinge uma escala global, com países posicionando-se como importadores ou exportadores, as visões regionais do setor de cannabis são essenciais para entender os fatores que impulsionam o comércio.

“O mercado é próspero e emergente, mas ainda existem muitas barreiras ao acesso que dificultam a dinâmica socioeconômica regional”, conclui Grecco.

Cannabis Medicinal

De acordo com o estudo, se o Brasil legalizar a utilização de cannabis para fins medicinais, em 36 meses após o começo do uso, a receita ficaria estimada entre R$ 4,2 e 4,7 bilhões para doenças com dor crônica e R$ 1,1 e 1,4 bilhões para doenças sem dores crônicas.

Em relação ao número de pacientes, a pesquisa revelou que no terceiro ano usando cannabis a estimativa é de ter mais de quatro milhões de adeptos.

Entre as principais conclusões atingidas pelo relatório, destacam-se:

– As operações comerciais envolvendo a cannabis se estabelecerão na América Latina de diversas maneiras, incluindo a integração vertical e cooperativas agrícolas.

– Devido aos preços mais baixos da cannabis latino-americana se comparados à média dos EUA e do Canadá, as receitas do varejo de cannabis na região serão significativamente inferiores em relação aos mercados norte-americanos e europeus.

– A ampla variação da regulamentação na região exigirá que empresas estrangeiras invistam de forma significativa no entendimento da dinâmica específica de cada país.

– Um treinamento mais aprofundado dos médicos e profissionais de saúde será fundamental para favorecer os programas de cannabis medicinal.

– À medida que mais países latino-americanos consideram a legalização total, o turismo canábico proporcionará oportunidades significativas na região.

*Fonte: Money Times

Que tal turbinar a sua mente?

O conteúdo deste site foi criado por mentes turbinadas com café (Mary4:20)! 

SAIBA MAIS

 

You may also like
Assine já: Ideia Legislativa propõe a definição de padrão para diferenciar usuário de traficante
Relatório sobre uso medicinal da maconha será votado quinta no Senado
UFPB aprova criação de disciplina sobre uso medicinal da maconha em três cursos
Osmar Terra cita informações falsas ao discutir legalização da maconha

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.