O mercado de cannabis no Brasil, legal ou ilícito, chega a US$ 2,4 bilhões (cerca de R$ 9,6 bilhões), revela um estudo realizado pela consultoria americana New Frontier Data e divulgado nesta terça-feira (21).

O levantamento, que também engloba outros países da América Latina, foi encomendado pela The Green Hub,  empresa brasileira focada em iniciativas no mercado de cannabis medicinal.

Após o Brasil, que é o maior consumidor desta pesquisa, estão o México (US$ 1,9 bilhão), o Chile (US$ 1,5 bilhão), a Argentina (US$ 1,1 bilhão) e a Colômbia (US$ 0,7 bilhão).

Os países latino-americanos incluídos no relatório contabilizam uma população de 600 milhões de habitantes, dos quais 13 milhões consomem cannabis no mínimo uma vez por ano.

Mercado

O relatório oferece uma apresentação dos mercados, tendências e atividades relacionadas ao consumo de cannabis na América Latina, incluindo uma análise detalhada das oportunidades e desafios da região à medida que seus países exploram as reformas e políticas em torno do tema.

“À medida que a comunidade internacional dedica cada vez mais atenção a uma reforma das leis de consumo de cannabis e se envolve com o setor da cannabis legalizada, surge uma miríade de oportunidades em lugares onde há pouco tempo essa atividade parecia inimaginável”, disse Giadha Aguirre de Carcer, fundadora e diretora executiva da New Frontier Data.

Para Marcel Grecco, fundador e CEO da The Green Hub, em uma época na qual o mercado de cannabis atinge uma escala global, com países posicionando-se como importadores ou exportadores, as visões regionais do setor de cannabis são essenciais para entender os fatores que impulsionam o comércio.

“O mercado é próspero e emergente, mas ainda existem muitas barreiras ao acesso que dificultam a dinâmica socioeconômica regional”, conclui Grecco.

Cannabis Medicinal

De acordo com o estudo, se o Brasil legalizar a utilização de cannabis para fins medicinais, em 36 meses após o começo do uso, a receita ficaria estimada entre R$ 4,2 e 4,7 bilhões para doenças com dor crônica e R$ 1,1 e 1,4 bilhões para doenças sem dores crônicas.

Em relação ao número de pacientes, a pesquisa revelou que no terceiro ano usando cannabis a estimativa é de ter mais de quatro milhões de adeptos.

Entre as principais conclusões atingidas pelo relatório, destacam-se:

– As operações comerciais envolvendo a cannabis se estabelecerão na América Latina de diversas maneiras, incluindo a integração vertical e cooperativas agrícolas.

– Devido aos preços mais baixos da cannabis latino-americana se comparados à média dos EUA e do Canadá, as receitas do varejo de cannabis na região serão significativamente inferiores em relação aos mercados norte-americanos e europeus.

– A ampla variação da regulamentação na região exigirá que empresas estrangeiras invistam de forma significativa no entendimento da dinâmica específica de cada país.

– Um treinamento mais aprofundado dos médicos e profissionais de saúde será fundamental para favorecer os programas de cannabis medicinal.

– À medida que mais países latino-americanos consideram a legalização total, o turismo canábico proporcionará oportunidades significativas na região.

*Fonte: Money Times

[gdlr_stunning_text background_color=”#f3f3f3″ button=”SAIBA MAIS” button_link=”https://www.mary420.cafe/?utm_source=Txt-MJ-Boost&utm_medium=Txt-MJ-Boost&utm_campaign=call2action” button_text_color=”#ffffff” button_border_color=”#6fac2f” title=”Que tal turbinar a sua mente?” title_color=”#94d64f” caption_color=”#a0a0a0″]O conteúdo deste site foi criado por mentes turbinadas com café (Mary4:20)! [/gdlr_stunning_text]

 

Inscreva-se em nossa newsletter

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba novidades diretamente em seu e-mail

Você se inscreveu com sucesso